Macron quer uma nova UE para as europeias de 2019

Na primeira sua intervenção no Parlamento Europeu, o presidente francês salientou importância de eleições do próximo ano.

Duras críticas à tentação nacionalista, à "democracia autoritária", aos "fascínios iliberais", à xenofobia e "à traição dos intelectuais" marcaram a intervenção de Emmanuel Macron perante o Parlamento Europeu (PE), ontem em Estrasburgo. A cerca de um ano das eleições europeias, o presidente francês alertou para o clima de "guerra civil" que se vive na União Europeia (UE), com as divisões e choques entre os Estados membros e as incertezas geradas pela saída britânica do bloco. E deu como exemplo da crise na UE, e da necessidade de uma sua refundação, a baixa taxa de participação naquelas eleições: menos de metade dos eleitores compareceu nas assembleias de voto nas europeias de 2014.

Naquela que foi a primeira intervenção no PE desde a sua eleição como presidente de França, Macron sublinhou a importância do voto de maio de 2019 "nos combates pelos ideais que criaram" a UE. Estas eleições assumem particular importância para o partido de Macron, La République en Marche (LRM), que se apresenta ao sufrágio europeu pela primeira vez e que prossegue a ambição de criar uma nova família política no PE. Na intervenção de Macron essa intenção ficou clara pelas críticas dirigidas a certas organizações que integram o Partido Popular Europeu, a principal família política no atual PE, com o objetivo de evidenciar as diferenças entre os grupos conservadores e democratas-cristãos e partidos como o Fidesz, do primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán.

Macron recusou ser parte de uma nova "geração de sonâmbulos" e, ecoando o título de um autor francês que marcou a primeira metade do século XX, A Traição dos Intelectuais, de Julien Benda, afirmou que "não foram os povos a abandonar a ideia europeia, é a traição dos intelectuais que a ameaça". No livro em causa, Benda crítica o imediatismo político, as formas de populismo então dominantes, "as ideias fixas", a "paixão política da raça e da nação". Finalmente, Macron acentuou que não abandona a ambição das reformas na zona euro, numa crítica indireta às hesitações do governo de Angela Merkel nesta matéria.

No período de perguntas e respostas destacou-se a crítica da deputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias que chamou "pequeno Napoleão" a Macron pela forma como, "unilateralmente, avançou para o ataque sobre a Síria sem consultar rigorosamente ninguém". Para a bloquista, se Macron "quer a paz no Médio Oriente" deve parar "de vender armas".

Por seu turno, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lembrou que a "Europa não é só o eixo franco-alemão", mas não deixou de elogiar o conteúdo da intervenção de Macron, que classificou como sinal de que "a verdadeira França está de volta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.