Macron quer uma nova UE para as europeias de 2019

Na primeira sua intervenção no Parlamento Europeu, o presidente francês salientou importância de eleições do próximo ano.

Duras críticas à tentação nacionalista, à "democracia autoritária", aos "fascínios iliberais", à xenofobia e "à traição dos intelectuais" marcaram a intervenção de Emmanuel Macron perante o Parlamento Europeu (PE), ontem em Estrasburgo. A cerca de um ano das eleições europeias, o presidente francês alertou para o clima de "guerra civil" que se vive na União Europeia (UE), com as divisões e choques entre os Estados membros e as incertezas geradas pela saída britânica do bloco. E deu como exemplo da crise na UE, e da necessidade de uma sua refundação, a baixa taxa de participação naquelas eleições: menos de metade dos eleitores compareceu nas assembleias de voto nas europeias de 2014.

Naquela que foi a primeira intervenção no PE desde a sua eleição como presidente de França, Macron sublinhou a importância do voto de maio de 2019 "nos combates pelos ideais que criaram" a UE. Estas eleições assumem particular importância para o partido de Macron, La République en Marche (LRM), que se apresenta ao sufrágio europeu pela primeira vez e que prossegue a ambição de criar uma nova família política no PE. Na intervenção de Macron essa intenção ficou clara pelas críticas dirigidas a certas organizações que integram o Partido Popular Europeu, a principal família política no atual PE, com o objetivo de evidenciar as diferenças entre os grupos conservadores e democratas-cristãos e partidos como o Fidesz, do primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán.

Macron recusou ser parte de uma nova "geração de sonâmbulos" e, ecoando o título de um autor francês que marcou a primeira metade do século XX, A Traição dos Intelectuais, de Julien Benda, afirmou que "não foram os povos a abandonar a ideia europeia, é a traição dos intelectuais que a ameaça". No livro em causa, Benda crítica o imediatismo político, as formas de populismo então dominantes, "as ideias fixas", a "paixão política da raça e da nação". Finalmente, Macron acentuou que não abandona a ambição das reformas na zona euro, numa crítica indireta às hesitações do governo de Angela Merkel nesta matéria.

No período de perguntas e respostas destacou-se a crítica da deputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias que chamou "pequeno Napoleão" a Macron pela forma como, "unilateralmente, avançou para o ataque sobre a Síria sem consultar rigorosamente ninguém". Para a bloquista, se Macron "quer a paz no Médio Oriente" deve parar "de vender armas".

Por seu turno, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lembrou que a "Europa não é só o eixo franco-alemão", mas não deixou de elogiar o conteúdo da intervenção de Macron, que classificou como sinal de que "a verdadeira França está de volta".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.