Juncker envolvido em caso de escutas ilegais e adulteração de conversas

Juiz abriu investigação relativa a uma altura em que o presidente da Comissão Europeia era primeiro-ministro do Luxemburgo

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, pode ser envolvido num processo judicial no Luxemburgo, país de que foi primeiro-ministro entre 1995 e 2013, num caso em que são investigadas alegadas escutas ilegais efetuadas pelos serviços secretos luxemburgueses. A investigação incide em alegações de que foram adulteradas provas num inquérito sobre escutas.

A notícia é avançada pelo The Times, que refere que Juncker terá pela frente acusações de que funcionários seus apresentaram informações falsas, sob juramento, sobre o referido inquérito.

O juiz Eric Shammo instaurou o inquérito a 4 de dezembro e tenta perceber se quem trabalhava em 2007 com o líder da Comissão Europeia falsificou dados que apresentaram ao Parlamento do Luxemburgo e também às autoridades e tribunais.

Os funcionários podem também ser responsáveis por uma transcrição incompleta de uma conversa gravada, o que pode disfarçar um alegado envolvimento de Juncker no caso. A mesma publicação refere que o tribunal pretende saber se foram falsificadas provas na investigação, primeiro parlamentar e depois judicial, efetuada em 2012 e 2013.

Nas referidas investigações, que envolvem exatamente escutas ilegais, Marco Mille, ex-diretor dos serviços secretos do Luxemburgo, é o principal suspeito.

A transcrição adulterada será de uma conversa entre Juncker e Mille, de forma a esconder o envolvimento do ex-primeiro-ministro luxemburguês na autorização de escutas a Loris Mariotto, empresário que acusou a família grão-ducal daquele país de envolvimento em atentados terroristas na década de 1980.

Na esfera do mesmo processo, e em tribunal, Marco Mille afirmou: "A falsificação de provas e a deliberada prestação de falsas informações ao parlamento, as autoridades judiciais e, em último caso, às pessoas, são um ataque à lei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.