Juncker envolvido em caso de escutas ilegais e adulteração de conversas

Juiz abriu investigação relativa a uma altura em que o presidente da Comissão Europeia era primeiro-ministro do Luxemburgo

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, pode ser envolvido num processo judicial no Luxemburgo, país de que foi primeiro-ministro entre 1995 e 2013, num caso em que são investigadas alegadas escutas ilegais efetuadas pelos serviços secretos luxemburgueses. A investigação incide em alegações de que foram adulteradas provas num inquérito sobre escutas.

A notícia é avançada pelo The Times, que refere que Juncker terá pela frente acusações de que funcionários seus apresentaram informações falsas, sob juramento, sobre o referido inquérito.

O juiz Eric Shammo instaurou o inquérito a 4 de dezembro e tenta perceber se quem trabalhava em 2007 com o líder da Comissão Europeia falsificou dados que apresentaram ao Parlamento do Luxemburgo e também às autoridades e tribunais.

Os funcionários podem também ser responsáveis por uma transcrição incompleta de uma conversa gravada, o que pode disfarçar um alegado envolvimento de Juncker no caso. A mesma publicação refere que o tribunal pretende saber se foram falsificadas provas na investigação, primeiro parlamentar e depois judicial, efetuada em 2012 e 2013.

Nas referidas investigações, que envolvem exatamente escutas ilegais, Marco Mille, ex-diretor dos serviços secretos do Luxemburgo, é o principal suspeito.

A transcrição adulterada será de uma conversa entre Juncker e Mille, de forma a esconder o envolvimento do ex-primeiro-ministro luxemburguês na autorização de escutas a Loris Mariotto, empresário que acusou a família grão-ducal daquele país de envolvimento em atentados terroristas na década de 1980.

Na esfera do mesmo processo, e em tribunal, Marco Mille afirmou: "A falsificação de provas e a deliberada prestação de falsas informações ao parlamento, as autoridades judiciais e, em último caso, às pessoas, são um ataque à lei".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.