Hotel envia fatura de 5,3 milhões a youtuber que queria estadia de graça

Empresário diz que deu dinheiro a ganhar em publicidade à youtuber que queria ficar de graça no hotel dele em Dublin e pede-lhe contrapartidas

Parece estar longe de terminar a troca de galhardetes entre a youtuber Elle Darby e Paul Stenson, o dono do hotel irlandês White Moose Café. Darby tentou negociar uma estadia grátis na unidade hoteleira, a troco de "boa publicidade" mas redes sociais para os seus seguidores (94 mil no Youtube e 87 mil no Instagram) mas Stenson respondeu à "querida influenciadora" que era preciso não ter vergonha na cara para lhe apresentar um pedido daqueles, publicando a resposta ao e-mail da youtuber no Facebook.

Elle Darby, por sua vez, partilhou um vídeo anunciando que fora "exposta" e dizendo que se sentiu humilhada, garantindo que nunca fora intenção dela faltar ao respeito a alguém. Mas Stenson não ficou por aqui: agora, decidiu colocar no Facebook do hotel a imagem de uma fatura em que cobra à youtuber o astronómico valor de 5,3 milhões de euros em publicidade, referindo os 114 artigos em 20 países que falaram da jovem à custa do hotel, "com um potencial alcance de 450 milhões de pessoas"

O empresário inovou e criou até t-shirts para ironizar com toda a situação. Também no Facebook, partilhou uma imagem ao lado do companheiro, cada um mostrando na t-shirt uma frase diferente: "Fui exposto pelo White Moose" e "Eu exigi borlas no White Moose Café e a única coisa que recebi foi esta t-shirt rasca".

E Stenson não teve problemas em comprar novas polémicas com potenciais clientes. Nas redes sociais, no seguimento do pedido da youtuber, informou ainda que a unidade hoteleira tem dois novos recipientes, um para "cinzas dos vegans" e o outro para "lágrimas de bloggers".

Elle Darby, a youtuber de 22 anos que deu azo à resposta do empresário, ainda não comentou a "fatura" milionária que o hotel prometeu enviar-lhe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.