Hotel envia fatura de 5,3 milhões a youtuber que queria estadia de graça

Empresário diz que deu dinheiro a ganhar em publicidade à youtuber que queria ficar de graça no hotel dele em Dublin e pede-lhe contrapartidas

Parece estar longe de terminar a troca de galhardetes entre a youtuber Elle Darby e Paul Stenson, o dono do hotel irlandês White Moose Café. Darby tentou negociar uma estadia grátis na unidade hoteleira, a troco de "boa publicidade" mas redes sociais para os seus seguidores (94 mil no Youtube e 87 mil no Instagram) mas Stenson respondeu à "querida influenciadora" que era preciso não ter vergonha na cara para lhe apresentar um pedido daqueles, publicando a resposta ao e-mail da youtuber no Facebook.

Elle Darby, por sua vez, partilhou um vídeo anunciando que fora "exposta" e dizendo que se sentiu humilhada, garantindo que nunca fora intenção dela faltar ao respeito a alguém. Mas Stenson não ficou por aqui: agora, decidiu colocar no Facebook do hotel a imagem de uma fatura em que cobra à youtuber o astronómico valor de 5,3 milhões de euros em publicidade, referindo os 114 artigos em 20 países que falaram da jovem à custa do hotel, "com um potencial alcance de 450 milhões de pessoas"

O empresário inovou e criou até t-shirts para ironizar com toda a situação. Também no Facebook, partilhou uma imagem ao lado do companheiro, cada um mostrando na t-shirt uma frase diferente: "Fui exposto pelo White Moose" e "Eu exigi borlas no White Moose Café e a única coisa que recebi foi esta t-shirt rasca".

E Stenson não teve problemas em comprar novas polémicas com potenciais clientes. Nas redes sociais, no seguimento do pedido da youtuber, informou ainda que a unidade hoteleira tem dois novos recipientes, um para "cinzas dos vegans" e o outro para "lágrimas de bloggers".

Elle Darby, a youtuber de 22 anos que deu azo à resposta do empresário, ainda não comentou a "fatura" milionária que o hotel prometeu enviar-lhe.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.