Youtuber é "humilhada" por dono de hotel. Comunidade vinga-se

Elle Darby sugeriu a uma unidade hoteleira irlandesa mostrá-la em vídeos seus em troca de alojamento grátis durante uns dias

Começou com um e-mail, passou para uma publicação no Facebook, e terminou em polémica e reviews de uma estrela, ou algo semelhante que signifique um mau resultado, para um hotel em Dublin, na Irlanda.

Elle Darby, youtuber de 22 anos, enviou um e-mail para o White Moose Café, um hotel irlandês, em que basicamente perguntava se o dono não estava interessado em oferecer-lhe alguns dias de estadia, para ela aproveitar com o namorado, em troca de boa "publicidade" e destaque em vídeos seus. Algo que, à época atual, em que youtubers, bloggers e vloggers têm cada vez mais sucesso, não será certamente de estranhar.

A resposta do dono do estabelecimento, Paul Stenson, no entanto, além de negativa, foi muito crítica, gerando uma onda que terminou com o homem a banir todos os bloggers e youtubers do seu hotel. Depois de divulgar o e-mail enviado por Elle Darby, o hotel divulgou o e-mail, com Stenson a questionar várias situações relativamente à sugestão da youtuber.

"Obrigado pelo seu e-mail em que procura alojamento grátis em troca de exposição (...) Se eu a deixar ficar aqui em troca de uma aparição num vídeo, quem vai pagar o staff? Quem vai pagar quem limpa o seu quarto? Os empregados que servem o pequeno-almoço? Os rececionistas que a recebem? Quem vai pagar a luz e o aquecimento que vai usar durante a sua estadia?", questiona o dono. "PS: A resposta é não", diz Paul Stenson no fim da longa publicação.

Elle Darby, que tem mais de 94 mil subscritores no YouTube e quase 87 mil seguidores no Instagram, partilhou um vídeo em que fala sobre a situação. Explica que não quis faltar ao respeito a ninguém, nem ao hotel, e diz que se sentiu humilhada.

Os seus seguidores e colegas, furiosos, começaram a procurar dar má reputação ao estabelecimento, como represália, dando várias reviews negativas em diversos sites sobre hotéis e estabelecimentos comerciais e hoteleiros.

Isto levou Paul Stenson a dizer que os bania das instalações do White Moose Café.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)