Youtuber é "humilhada" por dono de hotel. Comunidade vinga-se

Elle Darby sugeriu a uma unidade hoteleira irlandesa mostrá-la em vídeos seus em troca de alojamento grátis durante uns dias

Começou com um e-mail, passou para uma publicação no Facebook, e terminou em polémica e reviews de uma estrela, ou algo semelhante que signifique um mau resultado, para um hotel em Dublin, na Irlanda.

Elle Darby, youtuber de 22 anos, enviou um e-mail para o White Moose Café, um hotel irlandês, em que basicamente perguntava se o dono não estava interessado em oferecer-lhe alguns dias de estadia, para ela aproveitar com o namorado, em troca de boa "publicidade" e destaque em vídeos seus. Algo que, à época atual, em que youtubers, bloggers e vloggers têm cada vez mais sucesso, não será certamente de estranhar.

A resposta do dono do estabelecimento, Paul Stenson, no entanto, além de negativa, foi muito crítica, gerando uma onda que terminou com o homem a banir todos os bloggers e youtubers do seu hotel. Depois de divulgar o e-mail enviado por Elle Darby, o hotel divulgou o e-mail, com Stenson a questionar várias situações relativamente à sugestão da youtuber.

"Obrigado pelo seu e-mail em que procura alojamento grátis em troca de exposição (...) Se eu a deixar ficar aqui em troca de uma aparição num vídeo, quem vai pagar o staff? Quem vai pagar quem limpa o seu quarto? Os empregados que servem o pequeno-almoço? Os rececionistas que a recebem? Quem vai pagar a luz e o aquecimento que vai usar durante a sua estadia?", questiona o dono. "PS: A resposta é não", diz Paul Stenson no fim da longa publicação.

Elle Darby, que tem mais de 94 mil subscritores no YouTube e quase 87 mil seguidores no Instagram, partilhou um vídeo em que fala sobre a situação. Explica que não quis faltar ao respeito a ninguém, nem ao hotel, e diz que se sentiu humilhada.

Os seus seguidores e colegas, furiosos, começaram a procurar dar má reputação ao estabelecimento, como represália, dando várias reviews negativas em diversos sites sobre hotéis e estabelecimentos comerciais e hoteleiros.

Isto levou Paul Stenson a dizer que os bania das instalações do White Moose Café.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.