Telemóveis banidos nas escolas francesas

Ministro da Educação fala em "medida de desintoxicação" para combater a distração na sala de aula e o bullying

No próximo ano letivo as crianças francesas não vão poder levar os telemóveis para a escola. A "interdição efetiva" foi hoje aprovada pela Assembleia Nacional e abrange o ensino básico e secundário, avança o jornal Libération. O Governo francês defende a medida como sendo "um sinal para a sociedade".

A proposta de lei foi aprovada com os votos a favor dos eleitos do La République en Marche (LRM), do presidente Emmanuel Macron, do MoDem e do UDI. Os restantes partidos consideraram que a proposta do Governo é "inútil", um "embuste" e "uma simples operação de comunicação".

O ministro da Educação francês, Jean-Michel Blanquer, fala numa "medida de desintoxicação" para combater a distração nas salas de aulas e o bullying.

Segundo os defensores da lei, o uso de telemóveis entre as crianças e jovens tem aumentando os casos de cyber-bullying, facilitou o acesso à pornografia e dificultou a capacidade dos jovens de interagir socialmente. O ministro da justiça justifica ainda a medida com o aumento dos roubos de telemóveis, extorsão e obsessão com as marcas da moda.

Para o sindicato dos diretores de escolas, Philippe Vincent, a medida não implica uma grande mudança, já que metade das escolas já proíbem o uso do telemóvel nas aulas ou na totalidade ou parte do tempo de recreio.

A nova lei deixa às escolas a decisão sobre como querem aplicar a proibição, podendo numa versão mais simples implicar que os telemóveis são colocados em bolsas específicas dentro das mochilas para permitir o acesso em caso de emergência ou para uso pedagógico, nas aulas. Mas há também a versão mais extrema, de os proibir totalmente na escola, sob pena de sanções.

Mais de 90% das crianças com mais de 12 anos têm telemóvel em França

Mais de 90% das crianças com mais de 12 anos têm telemóvel em França, segundo a proposta de lei. O debate em França tem gerado discussão noutros países, como Reino Unido ou Irlanda.

"Os telemóveis são um avanço tecnológico, mas não podem monopolizar as nossas vidas", afirmou Blanquer, à estação de televisão LCI (La Chaîne Info). "Não podes encontrar o teu caminho num mundo de tecnologia se não sabes ler, escrever, contar, respeitar os outros e trabalhar em equipa", afirmou.

À rádio RTL, um representante do sindicato dos professores UNSA, Stephane Crochet, disse considerar a inclusão dos adultos na proposta de lei um insulto e um risco de segurança. Essa adenda à proposta de lei acabou contudo por ser retirada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.