Faz um ano que morreu o dissidente chinês Liu Xiaobo. "Ele foi absolutamente corajoso"

O deputado pró-democrata de Macau, Ng Kuok Cheong, enaltece a coragem do primeiro chinês a ser distinguido com o Nobel da Paz

"Ele foi absolutamente corajoso. As pessoas podem criticá-lo por não ter conseguido mudar nada, mas ele tornou-se um ícone muito significativo". As palavras são de Ng Kuok Cheong, deputado pró-democrata de Macau sobre o dissidente Liu Xiaobo, que morreu faz esta sexta-feira um ano.

O ativista pró democracia estava preso há oito anos pelo crime de subversão do Estado quando lhe foi diagnosticado um cancro terminal no fígado. Tinha 61 anos.

"Era um líder muito significativo"

À Teledifusão de Macau, TDM, o deputado, que há 26 anos fundou a maior associação pró-democracia no território, a Nova Macau, recorda Xiabou, o primeiro chinês a ser distinguido com um Nobel da Paz. "Ouvi o nome de Liu Xiaobo, que participou nas decisões dentro do movimento de Tiananmen. Nessa altura prestei atenção, percebi que era um líder muito significativo", lembra.

Ng Kuok Cheong refere que em Macau Liu Xiaobo "é alguém que, apesar de ser importante, é algo da China continental". O deputado apela, no entanto, a importância do exemplo do dissidente chinês. "Temos de proteger estes valores [democracia e diretos humanos] neste pequeno local, porque no futuro acho que tudo pode mudar", alerta do deputado que está na assembleia de Macau desde 1992. " O sucesso atual da China não é assim tão bom, tem um lado negro", avisa.

​​​​​​​

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...