Estação de metro em Nova Iorque reabre 17 anos depois do 11 de Setembro

Renovação da estrutura custou 181,8 milhões de dólares (cerca de 157,3 milhões de euros).

Uma multidão assistiu no último fim de semana à reabertura da estação de metro de Cortlandt Street em Nova Iorque. Foi por volta das 12 horas de sábado que o primeiro comboio regressou à estação junto ao World Trade Center, 17 anos depois de ter ficado destruída na sequência dos atentados terroristas do 11 de Setembro.

De acordo com a CNN, a estrutura reabriu com um revestimento em mármore e aço cromado, e ostenta como ex-líbris uma obra de arte denominada Chorus, um mosaico de mármore branco que reveste as paredes e através do qual é possível ler excertos da Declaração da Independência dos Estados Unidos de 1776 e da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

"Esta é mais do que uma estação de metro renovada. É símbolo da determinação dos nova-iorquinos em restaurar e melhorar substancialmente o local do World Trade Center", disse à CNN Joe Lhota, presidente da Autoridade Metropolitana dos Transportes de Nova Iorque (MTA).

Fidel Molina, uma jovem de 18 anos, foi uma das primeiras pessoas a chegar à estação. Usando uma T-shirt e um boné com o logótipo da linha 1 do metro de Nova Iorque, mostrou o desejo de um dia vir a trabalhar na MTA.

"Andei em todo o sistema do metro de Nova Iorque e as linhas 1 e 5 são as minhas favoritas. Desde criança que queria ver esta estação, mas fechou depois de as Torres Gémeas terem sido destruídas. Sinto-me orgulhosa por estar aqui", disse.

A reabilitação da estação, que recebeu o nome WTC Cortlandt Street, custou 181,8 milhões de dólares, cerca de 157,3 milhões de euros, e implicou a substituição integral do teto e de 365 metros de percurso.

A professora universitária e artista Ann Hamilton colaborou no projeto e marcou presença na cerimónia de inauguração. "Foi incrivelmente bonito ver as pessoas responderem silenciosamente ao que penso ser o peso, a importância e o materialismo da linguagem que está na parede", disse ao canal de televisão norte-americano NY1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.