Cães azuis na Índia? Culpa é da poluição

O fenómeno é consequência da poluição emitida por uma fábrica de detergentes que tem vindo a despejar resíduos industriais e lixo tóxico no rio Kasadi

Desde o início do mês de agosto que têm surgido vários casos de cães que misteriosamente ganharam uma tonalidade azul, em Mumbai, na Índia. O fenómeno é consequência da poluição de uma fábrica de detergentes que tem vindo a despejar resíduos industriais e lixo tóxico no rio Kasadi.

A empresa, além de libertar pó residual para o ar, utiliza corante azul para fabricar detergentes, despejando-o depois no rio sem qualquer tratamento.

É comum os cães abandonados atravessarem o rio Kasadi em busca de alimentos, sendo que o tom azul brilhante dos animais é uma das reações à poluição no rio. Também já foi detetado um caso de cegueira num dos animais, devido aos químicos.

"A empresa não possui equipamentos de monitorização de poluição do ar ou da água adequados. Isso levou à emissão e descarga de poluentes. Foi enviado um relatório completo para a nossa sede, sendo que uma audiência privada com a empresa deverá decorrer na próxima quinzena. Se eles não fizerem os esforços adequados para controlar a poluição, vamos fechá-los", afirmou Jayant Hajare, responsável do organismo de controlo de poluição e Maharashtra, em declarações ao Hindustan Times.

A fábrica em causa afirmou que irá cumprir com as obrigações, tendo já disponibilizado uma equipa técnica para monitorizar os níveis de poluição. Os dados serão divulgados online, no site da empresa. Também já foi instalado um portão temporário que impede a passagem pelas margens do rio.

A Proteção Animal de Mumbai está a desenvolver campanhas para consciencializar a população para os efeitos da poluição química nos animais. A maioria dos cães afetados já foi tratada, depois de os animais terem sido submetidos a análises sanguíneas, mas o corante azul afetou também alguns pardais.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."