Cães azuis na Índia? Culpa é da poluição

O fenómeno é consequência da poluição emitida por uma fábrica de detergentes que tem vindo a despejar resíduos industriais e lixo tóxico no rio Kasadi

Desde o início do mês de agosto que têm surgido vários casos de cães que misteriosamente ganharam uma tonalidade azul, em Mumbai, na Índia. O fenómeno é consequência da poluição de uma fábrica de detergentes que tem vindo a despejar resíduos industriais e lixo tóxico no rio Kasadi.

A empresa, além de libertar pó residual para o ar, utiliza corante azul para fabricar detergentes, despejando-o depois no rio sem qualquer tratamento.

É comum os cães abandonados atravessarem o rio Kasadi em busca de alimentos, sendo que o tom azul brilhante dos animais é uma das reações à poluição no rio. Também já foi detetado um caso de cegueira num dos animais, devido aos químicos.

"A empresa não possui equipamentos de monitorização de poluição do ar ou da água adequados. Isso levou à emissão e descarga de poluentes. Foi enviado um relatório completo para a nossa sede, sendo que uma audiência privada com a empresa deverá decorrer na próxima quinzena. Se eles não fizerem os esforços adequados para controlar a poluição, vamos fechá-los", afirmou Jayant Hajare, responsável do organismo de controlo de poluição e Maharashtra, em declarações ao Hindustan Times.

A fábrica em causa afirmou que irá cumprir com as obrigações, tendo já disponibilizado uma equipa técnica para monitorizar os níveis de poluição. Os dados serão divulgados online, no site da empresa. Também já foi instalado um portão temporário que impede a passagem pelas margens do rio.

A Proteção Animal de Mumbai está a desenvolver campanhas para consciencializar a população para os efeitos da poluição química nos animais. A maioria dos cães afetados já foi tratada, depois de os animais terem sido submetidos a análises sanguíneas, mas o corante azul afetou também alguns pardais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.