Bolsonaro grava vídeo no hospital. "Nunca fiz mal a ninguém"

Candidato presidencial admite que se preparava "para um momento como este". Filho diz que o pai está "pronto para ser eleito Presidente do Brasil na primeira volta".

"Preparava-me para um momento como este, porque você corre riscos, mas depois duvida. Será que o ser humano é assim tão mau? Nunca fiz mal a ninguém". As palavras são de Jair Bolsonaro, ditas numa cama de um hospital em Juíz de Fora, no Estado de Minas Gerais, depois de ter sido operado. O candidato às eleições presidenciais do Brasil foi esfaqueado na quinta-feira durante uma ação de campanha.

"Parecia uma pancada na boca do estômago", semelhante à de uma "bolada no futebol", descreveu. "A dor era insuportável", recordou no vídeo, partilhado na internet e filmado pelo senador Magno Malta. "Em nome de Deus, o meu muito obrigado aos médicos, enfermeiros", disse ainda o candidato, que agradeceu à mulher e aos filhos. "Obrigado Brasil, estamos juntos".

Flavio Bolsonaro, filho do candidato presidencial, não tem dúvidas que depois do ataque o pai vai ser o novo inquilino no Palácio do Planalto. "Está mais forte do que nunca e pronto para ser eleito Presidente do Brasil na primeira volta", escreveu na rede social Twitter, onde agradeceu o apoio que a família recebeu. "Deus acaba de nos dar mais um sinal de que o bem vencerá o mal! Obrigado a todos que nos deram força neste momento muito difícil! Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!"

As primeiras declarações de Jair Bolsonaro, ainda na cama do hospital, foram gravadas pelo senador Magno Malta, segundo a Folha de São Paulo , e testemunhadas pelos filhos do candidato, que também estavam no quarto da unidade hospitalar, como se vê nas imagens. Antes do deputado do Partido Social Liberal falar, o senador fez uma oração, como é possível observar no vídeo completo, divulgado pelo jornal.

No pequeno filme, debilitado, Bolsonaro lamentou ainda o facto de não poder comparecer ao desfile desta sexta-feira, no Rio de Janeiro, 7 de setembro, Dia da Independência do Brasil.

"Foi por um milagre que ele está vivo"

Outro dos filhos do candidato presidencial, Eduardo Bolsonaro, deputado federal, gravou também um vídeo para dar conta do estado de saúde do pai. Disse que a faca, usada no ataque, "entrou 12 centímetros" no corpo. "Foi por um milagre que ele está vivo. Se ele demorasse mais cinco minutos para chegar ao hospital, ele teria morrido de hemorragia", afirmou.

Na altura do vídeo, Eduardo Bolsonaro disse ainda não se saber que o pai ia ser transferido para outra unidade hospitalar. "Agradecemos a todos os hospitais que estão a disponibilizar-se para recebê-lo. Acredito que aqui, em Juiz de Fora, ele está em boas mãos", disse.

Acrescentou que a situação do pai é "estável" e que começam agora as investigações do que aconteceu. "Muitas pessoas falam que a faca não veio somente da mão do criminoso, que deu a facada, ela passou por outras pessoas. Então, a polícia está a tomar as devidas precauções. Vai ser iniciada uma investigação em relação a isso", revelou o filho de Jair Bolsonaro.

Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, é o suspeito acusado de ter esfaqueado o candidato às eleições presidenciais brasileiras. No interrogatório policial, depois de ser preso, disse às autoridades que o crime "foi a mando de Deus", segundo avançou o jornal O Globo, que tece acesso ao boletim da ocorrência.

"Afirmou-nos ainda que o motivo do intento se deu por motivos pessoais, os quais não iríamos entender, dizendo também em certos momentos que foi a mando de Deus. As testemunhas disseram à polícia que 'o candidato estava sobre os ombros de um homem, momento em que o autor aproximou com a faca em uma das mãos, enrolada aparentemente em uma camisa de cor clara'", pode ler-se no boletim da polícia Civil de Minas Gerais. As autoridades, entretanto, já fizeram buscas à residência do suspeito, em Montes Claros, no Estado de Minas Gerais.

Ler mais

Exclusivos