Ao volante de um camião, Putin inaugura ponte da Crimeia criticada pela UE

Bruxelas denuncia "nova violação da soberania" da Ucrânia. Anexação da península pelos russos, em 2014, não foi reconhecida

A Ponte Vasco da Gama, em Lisboa, perdeu ontem o título de maior da Europa, com a inauguração da ligação entre a Rússia e a península ucraniana da Crimeia, anexada pelos russos em 2014. O presidente Vladimir Putin inaugurou o trajeto de 19 quilómetros, ao volante de um camião cor de laranja, ignorando as críticas da Ucrânia contra a "construção ilegal" e o "desrespeito pela lei internacional". A União Europeia, que não reconheceu a anexação da Crimeia, condenou a "nova violação da soberania" ucraniana.

"Em vários momentos da história, mesmo nos tempos do czar, as pessoas sonhavam com a construção desta ponte. Tentaram nos anos 1930, 1940 e 1950 e finalmente, graças ao vosso trabalho e ao vosso talento, este projeto, este milagre aconteceu", disse Putin já na Crimeia, onde foi recebido com aplausos pelos trabalhadores. "Dez mil pessoas trabalharam nesta construção, 15 mil nos momentos de maior trabalho. Quase 220 empresas estiveram envolvidas. De facto, todo o país trabalhou nisto. O resultado é magnífico. Torna a Crimeia e a lendária Sebastopol mais fortes e aproxima-nos a todos", referiu.

A construção da ponte que cruza o estreito de Kerch custou três mil milhões de euros

A construção da ponte que cruza o estreito de Kerch custou três mil milhões de euros. Os trabalhos começaram em 2015, um ano depois de os cidadãos da Crimeia (a maioria de origem russa) terem aprovado em referendo o fim da ligação da república autónoma à Ucrânia e a anexação à Rússia (o território tinha sido russo entre 1783 e 1954). A votação ocorreu após a revolução ucraniana, que colocara um governo antirrusso no poder em Kiev, e de forças nacionalistas pró-russas (apoiadas pelas forças especiais) terem assumido o controlo da Crimeia.

Para Moscovo, a ponte permitirá reduzir o isolamento geográfico e económico da região. Após a anexação, não reconhecida internacionalmente, a Ucrânia impôs um bloqueio e seguiram-se as sanções internacionais. Desde então, a maior parte dos alimentos vem da Rússia de ferry, dependendo por isso das condições meteorológicas, ou de avião, que encarece os produtos.

O presidente russo inaugurou ontem a primeira parte do projeto, a ponte rodoviária, devendo a segunda parte, ferroviária, ficar pronta em 2019. Apesar de Putin ter atravessado a ponte num camião Kamaz (fabrico russo), seguido de duas dúzias de outros camiões, betoneiras e gruas, nos próximos meses o transporte de mercadorias ainda não é permitido por segurança. A ponte só devia ser inaugurada em dezembro mas, em março, antes das presidenciais russas, Putin visitou as obras pedindo que a inauguração fosse antecipada, dizendo ser importante ter uma ligação à península antes da época turística.

O presidente ucraniano, Petro Porochenko, reagiu de imediato. "A construção ilegal da ponte é a última prova do desrespeito do Kremlin pelas leis internacionais", disse, considerando "particularmente cínico" que esta ocorra na véspera do aniversário da deportação dos tártaros da Crimeia por Estaline. Já o chefe da diplomacia, Pavlo Klimkin, disse que esta é uma ponte "entre a Crimeia ocupada onde as pessoas estão a desaparecer e são intimidadas, e a Rússia, onde 1600 pessoas podem ser presas num dia por protestos pacíficos. Ambos os lados da ponte levam a lado nenhum". Ainda ontem o líder da oposição russo, Alexei Navalny, foi condenado a 30 dias de prisão por organizar os protestos de 5 de maio contra Putin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.