França compromete-se a abandonar glifosato até 2021 mesmo sem lei europeia

Em novembro, a União Europeia decidiu renovar a licença do herbicida por cinco anos

O abandono pela França do uso do glifosato em 2021 é "um claro compromisso" do presidente Emmanuel Macron, segundo um porta-voz do Governo francês, que garante que tal medida será tomada, mesmo que não seja "consagrada na lei".

"O compromisso do Presidente da República sobre a saída do glifosato em três anos é um compromisso claro", afirmou Benjamin Griveaux à rádio Franceinfo, acrescentando: "Será feito em parceria com a indústria".

Depois da decisão da União Europeia, em novembro, de renovar a licença do controverso herbicida por cinco anos, Emmanuel Macron prometeu que a substância seria proibida em França "assim que fossem encontradas alternativas" e, o mais tardar, em três anos.

Mas na noite de segunda-feira os deputados franceses decidiram que a saída do glifosato até 2021 não estaria nesta fase inscrita na lei, apesar das exigências da maioria, com o governo a querer primeiro uma solução para os agricultores.

Embora tenha sido considerado que esta decisão constituía uma "humilhação adicional" para o popular ministro da transição ecológica Nicolas Hulot, o porta-voz do Governo argumentou com o progresso alcançado com a lei noutros locais, acrescentando: "concentramo-nos sempre nos detalhes, na espuma".

"Nicolas Hulot trabalha com atores do setor e com o INRA (Instituto Nacional de Pesquisa Agropecuária) e, se encontrarmos soluções industriais e científicas para permitir que a França abandone o glifosato em três anos, todo mundo lá terá vencido ", concluiu.

"A França resistiu aos seus parceiros europeus", acrescentou Griveaux, observando que, se a recomendação da Comissão Europeia tivesse sido seguida, "demoraria dez anos" até se encontrar uma saída.

Inscrever "na lei (...) não é garantia de que isso aconteça", disse o responsável, acrescentando: "tenhamos um pouco de confiança, paremos permanentemente de pensar que a restrição, a sanção, são as únicas maneiras de conduzir políticas públicas eficazes".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.