Macau é "símbolo" de que o povo chinês pode também ser católico

O padre jesuíta residente em Macau, Luís Sequeira, vê com "alegria" o princípio de acordo entre o Vaticano e Pequim, mas reconhece que "é o começo de um processo, que precisa de outros passos e de um maior aprofundamento". Já Joey Mandia, padre e diretor do jornal de Macau O Clarim, considera que "a experiência de como Igreja e Estado se relacionam em Macau pode ser um ponto de referência para a Igreja no Continente"

Os padres Luís Sequeira e Joey Mandia, ambos a residir em Macau, mostram-se satisfeitos com o princípio de acordo anunciado entre o Vaticano e Pequim, para que as duas partes possam voltar a comunicar e os crentes católicos chineses possam estar sob a alçada da Santa Sé.

"A minha alegria, e a parte positiva de se estar a dar passinhos para trás e para diante, é parecer-me que há um esforço mais direto de perceber que em termos simples um patriota pode ser católico e um católico pode ser patriota - e aqui parece-me estar o busílis da questão que aos poucos se está a procurar resolver", diz Luís Sequeira. Para o jesuíta, o princípio de acordo anunciado é "muito positivo e construtivo". "Mas também reconheço que é o começo de um processo, que precisa de outros passos e de um maior aprofundamento. Em todo o caso, é extremamente rico pela sua dimensão criativa e dinâmica de comunidade cristã, pelo facto de juntar duas entidades com duas perspetivas diferentes, que ao fim e ao cabo deveriam ser complementares mas que não conseguem ser ainda", refere.

Joey Mandia, padre e diretor do jornal O Clarim, considera por seu lado que "a experiência de como Igreja e Estado se relacionam em Macau pode ser um ponto de referência para a Igreja no Continente". Mandia é cauteloso nas palavras ao referir que "toda a gente concorda que haver maior liberdade religiosa na China é algo desejável" e que "é expectável que o atual acordo provisório assinado entre a China e a Santa Sé possa trazer isso". No entanto, o religioso compreende que "haja quem obviamente duvide se isto vai resultar ou não".

Nova diocese na China

Horas depois de anunciado o princípio de acordo entre as duas partes, o Vaticano anunciou também que o Papa Francisco acabara de criar uma nova diocese na China, a diocese de Chengde. "Parece-me que este desenvolvimento é significativo", aponta Joey Mandia.

Luís Sequeira acredita que "a dimensão política do Estado, que defende o seu próprio país e que há que respeitar"; e a dimensão da igreja, "uma comunidade de crentes que tem um sentir muito universal de uma história longa, há mais de 2000 anos nesse sentido, espiritual e pastoral", são compatíveis. A igreja católica, lembra, mantém uma unidade universal: "É uma unidade com a liderança daquele a quem chamamos o Papa, com uma dimensão teológica por trás, uma razão de fé que nos leva a aceitá-lo como líder".

O padre Sequeira aponta a história europeia e as disputas entre reis e papas para exemplificar uma relação de poder que "nem sempre foi fácil". "Nesse sentido, com a história que teve a própria China, com um abuso profundo dos países ocidentais, provocou esta ideia de que os ocidentais estão aqui é para dar cabo da China ou tomar da China, o que na realidade até aconteceu. Há uma parte histórica ferida da China na relação com o Ocidente" à qual, admite o jesuíta, a igreja não escapa. Agora, finalmente, Luís Sequeira acredita que está a aclarar-se a questão central: "Que é a de que cidadãos chineses, neste caso os bispos, tenham a sua consciência do dever nacional, do ser patriota, e por outro lado a dimensão espiritual de dizer que a comunidade cristã, que é universal, também tem um líder mas que é ao nível espiritual e pastoral".

Três décadas de liberdade religiosa para Macau

Joey Mandia não crê que este acordo "vá afetar Macau diretamente" e diz mesmo que a relação entre Igreja e Estado em Macau pode servir de referente para a Igreja no Continente.

Já Luís Sequeira concorda que "a maneira de viver de Macau" não será afetada mas levanta uma interrogação maior. "A questão em Macau está em aos pouquinhos começar a entrar em todo o país, ao terminar o modelo Um País, Dois Sistemas [em 2049], e penso que a comunidade de Macau tem de se preparar para entender isso." A aproximação entre a Santa Sé e Pequim "acontece 30 anos antes e, nestes próximos 30 anos, Macau tem um espaço de liberdade em que esta realidade, da igreja na sua dimensão universal, e o sentido social e patriótico deste pequeno território que pertence à China, parecem estar num certo equilíbrio."

Luís Sequeira ainda vê Macau como "aquele pequeno símbolo" de que o povo chinês pode também ser católico. "Um chinês pode amar a sua pátria e ser católico ou cristão. A dimensão de fé vai para lá dos nacionalismos, mas também não é contra", conclui.

Texto publicado originalmente em www.plataformamedia.com

Exclusivos