Putin diz que guerra na Ucrânia vai continuar enquanto os líderes não mudarem

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou hoje que "a guerra [com a Ucrânia] vai continuar" enquanto as atuais autoridades ucranianas "se mantiverem no poder", referindo-se ao recente aumento de tensão entre Moscovo e Kiev.

"As atuais autoridades ucranianas não têm interesse em resolver o conflito" entre Kiev e separatistas pró-russos no leste da Ucrânia, que já fez mais de 10.000 mortos desde que eclodiu, em 2014, declarou Putin numa conferência de imprensa no final da cimeira do G20, que reúne os 20 países mais industrializados do mundo, em Buenos Aires, na Argentina.

"Sobretudo por meios pacíficos", prosseguiu Putin, acrescentando: "Enquanto elas se mantiverem no poder, a guerra vai continuar. É sempre mais fácil justificar os seus fracassos económicos com a guerra", rejeitando a responsabilidade sobre "um agressor externo".

O presidente ucraniano Petro Poroshenko, crítico de Moscovo, deverá recandidatar-se nas eleições marcadas para 31 de março.

Kiev e o Ocidente acusam a Rússia, que anexou em 2014 a península ucraniana da Crimeia, de apoiar militarmente os rebeldes pró-russos do leste da Ucrânia, o que Moscovo nega.

As tensões entre Moscovo e Kiev intensificaram-se desde o apresamento, no domingo, pela guarda costeira russa, de três navios da Marinha ucraniana no estreito de Kerch, entre o mar Negro e o mar de Azov, junto à Crimeia, e a detenção de 24 marinheiros ucranianos.

A Rússia acusa-os de terem entrado ilegalmente em águas territoriais russas, ao passo que a Ucrânia afirma que as duas vedetas e o rebocador estavam em águas neutras.

Putin condenou hoje novamente "uma provocação" da Ucrânia, cujos barcos "violaram de forma impertinente", segundo ele, a fronteira russa.

Por seu lado, a Ucrânia denuncia "um ato de agressão" e instaurou, em resposta, a lei marcial em diversas das suas regiões fronteiriças.

O presidente norte-americano, Donald Trump, cancelou a reunião agendada com Putin para Buenos Aires na sequência desta confrontação russo-ucraniana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG