Governo proíbe manifestação sindical pela primeira vez desde 1958

A manifestação estava marcada para amanhã e a proibição está a revoltar o público

O Governo francês proibiu hoje uma manifestação sindical contra a reforma da legislação laboral marcada para quinta-feira em Paris, argumentando que pretende evitar a repetição de atos de violência.

Trata-se da primeira vez que uma manifestação organizada por sindicatos é proibida desde 1958 e acontece depois de sete estruturas sindicais terem recusado a proposta das autoridades, que pretendiam uma concentração sem a realização de um desfile de protesto pelas ruas da capital.

"Considero que não há outra escolha a não ser a interdição da manifestação", disse o representante da Prefeitura de Paris, através de um comunicado.

Entretanto, dirigentes das centrais sindicais da CGT e FO criticaram o facto de o Ministério do Interior ter aceitado de forma imediata a decisão da Prefeitura da capital francesa.

A interdição imposta aos sindicatos sobre a manifestação de quinta-feira foi considerada "um erro histórico" pelo deputado socialista Christian Paul, que se tem mostrado frontalmente contra a legislação laboral que o próprio Governo do Partido Socialista quer aprovar.

"Eu considero, e estou a ser muito cuidadoso com as minhas palavras, que é um erro histórico. É a primeira vez, desde 1958, que um Governo - um primeiro-ministro - proíbe uma manifestação organizada por centrais sindicais", disse Christian Paul à agência noticiosa France Presse.

Logo após o anúncio da interdição, Jean-Claude Mailly, dirigente da CGT, acusou o chefe do executivo Manuel Valls de não respeitar o diálogo com os trabalhadores.

"É um primeiro-ministro fechado no seu próprio autoritarismo", acusou Mailly, acrescentando que a interdição faz com que a França se venha a juntar ao grupo de países que não respeitam a democracia.

"Manuel Valls é intransigente, ele não quer discutir" nem o texto sobre o protesto nem sequer o percurso da manifestação, disse o líder da central sindical FO, referindo-se ao que considerou o "aumento de um autoritarismo inacreditável" por parte do Governo.

Os sindicatos contestam, desde março, o projeto de reforma da lei laboral, que, segundo afirmam, vai transformar o desemprego num "problema endémico", em França.

Os detratores da proposta governamental encaram a nova lei como um instrumento "demasiado liberal" e que vai promover ainda mais a precariedade salarial no país.

Dezenas de manifestações têm sido organizadas desde março em várias cidades francesas, algumas das quais marcadas por confrontos com a polícia.

A interdição imposta contra a manifestação que foi agendada para quinta-feira pelos sindicatos está a agitar a atualidade política francesa.

Mais de 133 mil pessoas assinaram nas últimas horas uma petição que foi difundida através da Internet e que tem como título: "Eu não vou respeitar a proibição de me manifestar".

Apesar do que possa acontecer na quinta-feira em Paris, os sindicatos já convocaram outro protesto para a próxima terça-feira, dia 28 de junho, na capital.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.