Gato milenar é o novo geoglifo do Peru

Tesouro arqueológico vem enriquecer as chamadas Linhas de Nazca, um conjunto de centenas de geoglifos que se estendem por 80 quilómetros

Um gato com 37 metros é a nova figura desenhada encontrada nas montanhas do deserto de Nazca - o felino, agora encontrado pelos arqueólogos do Peru, vem juntar-se aos famosos geoglifos que são Património Mundial da Unesco desde 1994.

Trata-se do mais recente tesouro arqueológico do Peru e vem enriquecer as chamadas Linhas de Nazca, um conjunto de centenas de geoglifos que se estendem por 80 quilómetros e que, em alguns casos, chegam a ter duzentos metros. Esta figura é datada dos anos 200 a 100 antes de Cristo, acreditam os especialistas.

Johny Isla, diretor de planeamento do Ministério da Cultura do Peru para a região Nazca-Palpa, admite que a descoberta de desenhos com esta dimensão nos dias que correm é uma surpresa, mas sublinha que as novas tecnologias têm sido muito importantes para as investigações. "Antes, tínhamos fotografias aéreas de satélite ou avião. Agora, as fotos podem ser tiradas por drones a baixa altitude e isso ajuda-nos muito."

Por isso, Johny Isla acredita, que embora seja surpreendente ainda se encontrarem novas figuras, outras ainda há certamente por descobrir.

As famosas linhas de Nazca terão sido desenhadas entre os anos 400 e 650. Representam animais como o macaco, o colibri, a orca, ou figuras geométricas. Os desenhos são feitos removendo a camada vermelha do solo típica da região, o que permite expor a pedra que está por baixo, mais clara, formando assim as linhas. No caso do gato, as linhas do desenho têm entre 30 a 40 centímetros de largura.

O enorme gato em pose de descanso que enfeita a montanha foi descoberto durante os trabalhos para melhorar o acesso a uma das colinas que fornece um bom ponto de vista natural para os outros desenhos.

De acordo com o arqueólogo-chefe, entre 80 a 100 novas figuras surgiram nos últimos anos nos vales de Nazca e Palpa, todas anteriores à cultura de Nazca (AD200-700). "São menores em tamanho, desenhados nas encostas e claramente pertencem a uma tradição anterior."

O gato, explicou, terá sido desenhado durante o final da era Paracas, que durou de 500 aC a 200 dC. "Sabemos isso comparando iconografias", disse Isla. "Os tecidos de Paracas, por exemplo, mostram pássaros, gatos e pessoas que são facilmente comparáveis ​​a esses geoglifos."

"A figura mal era visível e estava prestes a desaparecer porque está situada numa encosta bastante íngreme que está sujeita aos efeitos da erosão natural", informou, por seu turno, o Ministério da Cultura do Peru, acrescentando que "durante a semana passada, o geoglifo foi limpo e conservado e mostra uma figura felina de perfil, com a cabeça voltada para a frente."

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG