Emilie e o pai foram comprar tupperwares à IKEA e acabaram detidos

O incidente ocorreu em Estrasburgo. IKEA França já veio pedir desculpa

"Bem, vou contar como fiquei sob custódia por causa de tupperwares na IKEA", começa por explicar Emilie Guzzo na sua conta de Twitter. A mulher francesa e o seu pai passariam horas numa cela por se terem enganado ao passar as embalagens de plástico na caixa automática de uma loja da cadeia IKEA, em Estrasburgo, França, no início de outubro.

O propósito era mesmo comprar tupperwares e a visita à loja tinha tudo para ser normal, como tantas outras. Mas quando Emilie e o pai se dirigem à caixa self-service para proceder ao pagamento dos produtos, não reparam que estão a passar no scanner apenas as tampas, pois as respetivas caixas eram vendidas separadamente. Quando tentavam sair, um segurança aborda-os e pede que paguem tudo o que levam. Pai e filha não hesitaram e aceitam pagar a diferença.

O problema parecia resolvido, até o chefe de loja chegar. Apressa-se a intitulá-los de "ladrões" e decide chamar a polícia. Assim que as autoridades chegam, são dadas ordens para que os dois sejam detidos e levados para a esquadra, onde foram avisados que ficariam por pelo menos 24 horas, em celas separadas.

"Não te preocupes. Eles rapidamente verão que não fizemos nada". O pai de Emilie tentava acalmá-la, quando nada o fazia adivinhar as horas que ainda teriam pela frente. Um agente da polícia, a quem tentavam desesperadamente explicar a situação, diz-lhes, contudo, que "se não tivessem feito nada de mal, não estariam presos", segundo conta Emilie Guzzo.

A odisseia acabaria apenas três horas depois, quando o contacto de um agente leva um advogado até à esquadra e este pede que sejam libertados.

A história tornou-se pública através da conta de Twitter de Emilie e as reações foram quase imediatas, até mesmo da empresa IKEA de França, que se apressou a lamentar o sucedido. Também no Twitter, explicaram que "normalmente", preferem "o diálogo", pelo dizem estar arrependidos pelo sucedido.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.