'Shutdown' está para durar. Trump garante que não vai recuar no muro

Presidente dos EUA recusa reabrir o governo temporariamente sem que esteja garantido o financiamento do muro com o México.

O presidente norte-americano, Donald Trump, rejeitou na segunda-feira uma resolução parlamentar que permitiria a abertura temporária do governo, declarando que "nunca iria recuar", quando o encerramento de serviços governamentais federais entra na quarta semana.

Trump rejeitou a sugestão de reabrir todos os serviços governamentais durante várias semanas, enquanto continuariam as negociações com os democratas sobre a sua pretensão de obter 5,7 mil milhões de dólares para construir um longo e insuperável muro na fronteira com o México.

Por outro lado, manteve de pé a possibilidade de declarar uma emergência nacional para dispensar a autorização do Congresso.

"Não estou a pretender declarar uma emergência nacional", afirmou. "Isto [obter o financiamento] é tão simples que não deveríamos de ter o fazer", adiantou.

Aparentemente, o impasse entre o republicano Trump e os democratas mantém-se, depois de um fim de semana sem negociações.

A sua decisão de rejeitar a proposta do senador republicano Lindsay Graham, para uma abertura temporária, eliminou uma possibilidade de saída, sem alternativa à vista.

Os congressistas republicanos estão à espera de um sinal de Trump sobre futuros posicionamentos, ao passo que os democratas mantêm a recusa inicial de financiar o muro e a sua exigência de abertura do governo antes de qualquer negociação.

O impacto dos 24 dias de shutdown está a ser sentido em todo o país.

Cerca de 800 mil funcionários públicos não receberam salário, o que aumentou as ansiedades relativas ao pagamento de crédito imobiliário e outras contas, e metade deles nem está a trabalhar, o que provocou o encerramento de vários serviços governamentais.

Os viajantes que usam o aeroporto de Atlanta, o mais ocupado dos EUA, confrontaram-se na segunda-feira com tempos de espera superiores a uma hora, perante a falta de pessoal nas inspeções de segurança.

Trump passou o fim de semana na Casa Branca reunido com assessores e congressistas e mandando mensagens agressivas, através da rede social Twitter, para com os democratas, procurando defender a opção pelo muro com argumentos simultaneamente de segurança e humanitários.

Ao discursar numa convenção de agricultores, em Nova Orleães, no domingo, insistiu neste ponto, alegando que "não há substituto" para um muro ou uma barreira na fronteira sul.

Trump continuou a insistir neste ponto e na reivindicação de poder assinar uma declaração de emergência nacional para lidar com o que diz ser uma crise de contrabando de droga e tráfico de mulheres e crianças na fronteira. Mas parece agora não estar com pressa em avançar com tal declaração.

Em vez disso, está a pressionar os democratas para regressarem à mesa das negociações, apesar de ele próprio se ter levantado da última reunião.

Na última quarta-feira, saiu da sessão negocial com os líderes dos democratas no Senado e na Câmara dos Representantes, depois de Nancy Pelosi lhe dizer que não concordava com o financiamento do muro, mesmo que reabrisse o governo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.