Shutdown nos EUA: Trump bate recorde de Clinton

O presidente dos EUA tinha avisado que o encerramento parcial dos serviços federais podia "durar meses, até anos". Para já é o mais longo da história, deixando milhões de pessoas em dificuldades.

Na sexta-feira, os 800 mil funcionários federais afetados pelo encerramento parcial dos serviços federais norte-americanos sentiram na pele - ou antes, na conta bancária - os efeitos da medida. Todos ficaram sem receber salário, embora cerca de metade esteja em casa, e a outra, considerada essencial, esteja a trabalhar sob requisição.

Os funcionários públicos perdem o direito aos vencimentos?

Até agora é assim que funciona. Mas na sexta-feira a Câmara dos Representantes aprovou uma lei, com 411 votos a favor e sete contra, que prevê a restituição salarial em retroativos. Aprovada pelo Senado, segue para a Sala Oval, para ser promulgada ou vetada por Donald Trump.

O que ficou afetado pelo encerramento parcial?

Um quarto dos funcionários federais, ou seja, 800 mil, da maioria dos ministérios (departamentos), como o de Estado, da Justiça, de Segurança Interna e das agências federais, fechando museus e monumentos e afetando quer os funcionários do fisco quer os vigilantes dos parques nacionais, por exemplo.

O que levou ao shutdown?

A crise foi provocada pelo presidente norte-americano. Ao ver que o Orçamento aprovado na Câmara dos Representantes - na altura ainda de maioria republicana - não incluía financiamento para a construção parcial do muro com o México, o presidente insistiu na necessidade de 5,7 mil milhões de dólares (5 mil milhões de euros) para acabar com o que chamou de "crise" na fronteira. Uma crise causada pela entrada ilegal de imigrantes, de terroristas e de drogas, alega.

Por que não há financiamento para o muro?

Os democratas - e alguns republicanos - discordam da construção do muro. É considerado um projeto caro, ineficaz e que não resolve os problemas de fundo da imigração. Por outro lado, as acusações de Trump de que a morte das duas crianças imigrantes sob custódia das autoridades norte-americanas foi culpa dos democratas cavaram um fosso maior.

Que consequências para a economia do país?

A agência de notação Standard & Poor's calculou que a paralisação custou 3,6 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros) até sexta-feira. Se permanecer assim mais duas semanas o prejuízo vai superar o que Donald Trump exige para a construção do muro, avisa a empresa. "Enquanto alguns impactos indiretos podem ser recuperados quando os serviços da administração federal forem abertos, os impactos diretos são irreparáveis, informou a S&P em comunicado. "A perda de produtividade e de funcionários na atividade económica não será recuperada."

Qual foi o mais longo encerramento parcial?

No dia 16 de dezembro de 1995, o presidente Bill Clinton, em discórdia com a maioria republicana no Congresso acerca do financiamento de setores como a saúde, educação e meio ambiente no Orçamento de 1996, A crise durou 21 dias e terminou no dia 6 de janeiro de 1996, quando republicanos e democratas chegaram a um acordo sobre o Orçamento. O encerramento já tinha sido precedido de outro mais curto, de cinco dias, em novembro.

Há algum acordo em negociação?

Neste momento não. Na quarta-feira, a última reunião do presidente com a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e com o líder da minoria do Senado, Chuck Schumer, demorou apenas 14 minutos. "Uma perda total de tempo", escreveu no Twitter. "Perguntei o que vai acontecer em 30 dias se eu desbloquear as contas rapidamente, vão aprovar a segurança na fronteira, que inclui um muro ou vedações de aço? Nancy disse não. Eu disse tchau, nada funciona!". O senador republicano Lindsey Graham tentou levar para a mesa a hipótese da legalização das centenas de milhares de imigrantes que chegaram aos EUA em crianças. Mas não houve progressos.

Trump vai declarar emergência nacional?

Já disse mais do que uma vez que está a considerar a hipótese. É a saída mais airosa que o presidente tem para sair da armadilha que montou. Por lei, ficaria com autoridade para alocar dinheiro do orçamento militar para projectos de construção do muro. É uma tática que poderia deixar quer Trump quer os democratas reivindicar vitória e acabar com o shutdown. Trump poderia dizer que iria cumprir a promessa de campanha eleitoral. Os democratas poderiam dizer que não cederam e iriam interpor ações judiciais para bloquear a medida alegando abuso de autoridade de Trump. A meio do novo capítulo de conflito, já em terreno judicial, Trump poderia finalmente assinar legislação que reabrisse os serviços federais. Num encontro com líder locais na sexta-feira à noite (hora portuguesa), o presidente dos EUA foi citado a dizer: "A solução mais fácil era eu declarar emergência nacional... mas não vou fazer isso tão depressa".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.