Covid-19. OMS alerta para riscos dos passaportes de imunidade

"Atualmente não há evidências de que as pessoas que se recuperaram da COVID-19 e que têm anticorpos sejam imunes a uma segunda infeção", disse a Organização Mundial da Saúde em comunicado.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou, este domingo, para os riscos associados à ideia dos chamados passaportes de imunidade, assinalando que não existem atualmente evidências de que as pessoas que recuperaram da covid-19 estejam protegidas contra uma reinfeção.

O conceito de passaportes de imunidade ou passaportes sanitários tem sido referido como uma forma de perceber o nível de imunidade numa determinada comunidade e de permitir que as pessoas que têm anticorpos da doença provocada pelo novo coronavírus possam regressar ao trabalho, mas a OMS considera que são necessárias mais pesquisas sobre esta questão.

A notícia foi avançada pela Associated Press que cita um artigo científico divulgado hoje pela agência da saúde da ONU, com sede em Genebra, que refere que "neste momento da pandemia não há evidências suficientes sobre a eficácia da imunidade" pela presença de anticorpos que permitam garantir a precisão de um "passaporte de imunidade" ou de um "certificado sem risco".

"Atualmente não há evidências de que as pessoas que se recuperaram da COVID-19 e que têm anticorpos sejam imunes a uma segunda infeção", disse a Organização Mundial da Saúde em comunicado.

"Até à data, nenhum estudo avaliou se a presença de anticorpos para SARS-CoV-2 confere imunidade contra infeções futuras por esse vírus em humanos", explica.

A OMS alerta ainda que as pessoas que assumem estar imunes a uma reinfeção por covid-19 poderão ter tendência para ignorar os conselhos das autoridades públicas de saúde, pelo que os referidos passaportes podem aumentar o risco de transmissão contínua do vírus.

A agência da saúde da ONU acrescenta também que os testes para medir a presença de anticorpos do novo coronavírus requerem "validação adicional para determinar a sua precisão e fiabilidade".

Ao longo dos últimos dias vários países avançaram com a realização de testes para detetar a presença de anticorpos do novo coronavírus, estando também em estudo hipóteses de criação de passaportes de imunidade ou de passaportes sanitários.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 200 mil mortos e infetou quase 2,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 736 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 854 pessoas das 22 797 confirmadas como infetadas, e há 1 228 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde, esta sexta-feira.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG