Coreia do Sul negoceia isenção temporária de sanções contra Coreia do Norte

As duas Coreias acordaram iniciar entre o final de novembro e início de dezembro os trabalhos para modernizar e provavelmente ligar as redes férreas e viárias

A Coreia do Sul informou hoje que está a negociar com as Nações Unidas, Estados Unidos e outros países uma isenção temporária de sanções contra o regime norte-coreano para desenvolver um projeto ferroviário conjunto com o país vizinho.

"No que diz respeito ao estudo ferroviário conjunto, estão a ser levadas a cabo consultas com os Estados Unidos, as Nações Unidas e outros países relevantes", disse um membro do Ministério da Unificação sul-coreano à agência de notícias Yonhap.

As duas Coreias acordaram iniciar entre o final de novembro e início de dezembro os trabalhos para modernizar e, eventualmente, ligar as redes férreas e viárias, em cumprimento com o acordado alcançado nas cimeiras de abril e setembro.

O projeto foi adiado vários meses, depois do Comando das Nações Unidas na Coreia, liderado pelos Estados Unidos, bloquear o acesso aos materiais necessários para o estudo no terreno por parte da Coreia do Norte, alegando problemas processuais.

O bloqueio é interpretado por alguns como um sinal do descontentamento de Washington sobre uma possível violação das sanções impostas ao regime norte-coreano e a aceleração da cooperação intercoreana, num momento em que as negociações sobre a desnuclearização parecem estar paralisadas.

O Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, concordaram, nas reuniões, intensificar a cooperação e o intercâmbio entre os dois países.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.