Colisão entre comboio e autocarro escolar mata quatro crianças

Vítimas mortais são adolescentes e terão entre os 13 e 17 anos. Não há portugueses entre as vítimas

Uma colisão entre um comboio e um autocarro escolar numa passagem de nível em Millas, na região dos Pirenéus Orientais, França, fez pelo menos quatro mortos e 24 feridos muito graves, 21 dos quais são estudantes e três são passageiros do comboio, avançou o prefeito da região, citado pelo Le Monde.

As vítimas mortais serão todas passageiros do autocarro escolar, adolescentes entre os 13 e os 17, refere o Le Figaro. Os feridos foram transportados para o hospital de Perpignan. O acidente aconteceu pelas 16:00, hora local - menos uma hora em Lisboa.

Os serviços consulares portugueses em França confirmaram junto das autoridades francesas que não há portugueses entre as vítimas mortais nem entre os 24 feridos confirmou à agência Lusa fonte da Secretaria de Estado das Comunidades.

Segundo a France Bleu, o autocarro escolar terá sido cortado a meio na sequência da colisão com o comboio regional. O veículo transportava crianças entre as localidades de Millas, Saint-Féliu-D'Amont e Saint-Féliu-d'Avall no final de um dia de escola.

As operações de resgate e desencarceramento do autocarro escolar envolveram 70 sapadores bombeiros, dez veículos de emergência, dois helicópteros da proteção civil e dois outros das emergências médicas.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, deslocou-se ao local do acidente, assim como a ministra dos Transportes, Elisabeth Borne. "O socorro e os serviços do Estado estão plenamente mobilizados. Vou para o local imediatamente", escreveu a ministra no Twitter.

Uma passageira do comboio, citada pela imprensa francesa, diz que o choque foi "muito violento" e que chegou a pensar que o comboio iria descarrilar. Os feridos no autocarro tiveram de ser desencarcerados.

Uma porta-voz dos caminhos-de-ferro franceses disse, citada pela Reuters, que o comboio viajava a 80 quilómetros por hora na altura do acidente e que estavam a bordo 25 pessoas. Três ficaram feridas ligeiramente.

O presidente francês, Emmanuel Macron, já reagiu: no Twitter, garantiu que a mobilização do Estado é "total" para responder ao acidente. "Todos os meus pensamentos estão com as vítimas deste terrível acidente e as famílias delas".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG