Morreram 52 pessoas na Índia devido ao consumo de álcool adulterado

O consumo adulterado de álcool já provocou 52 mortes na Índia nas últimas horas, anunciaram fontes oficiais.

A maioria dos mortos é do distrito de Saharanpur, no Uttah Pradesh, onde morreram 36 pessoas, encontrando-se entre 15 e 20 hospitalizados além daqueles que já receberam alta hospitalar, indicou o superintendente da polícia local, Dinesh Kumar.

Os restantes mortos residiam nas aldeias da área administrativa de Haridwar, em Uttarakhand, onde foi distribuído o licor.

Inicialmente, pensava-se que as bebidas tinham sido servidas durante ritos funerários, explicou, na sexta-feira, o superintendente da polícia local, Janmajay Khanduri.

As autoridades apuraram, porém, que o álcool fora obtido noutro local, não foi consumido em qualquer cerimónia fúnebre e foi consumido em diferentes aldeias, precisou a mesma fonte.

As autoridades das duas regiões suspenderam vários comandantes das forças de segurança e funcionários da Administração após o ocorrido.

A ingestão de álcool ilegal e adulterado na Índia só acontece em zonas rurais ou em áreas pobres das cidades devido ao seu baixo preço.

O líquido resultante contém pesticidas e outras substâncias nocivas para a saúde.

O maior envenenamento nos últimos anos ocorreu em dezembro de 2011, no Estado de Bengala, no leste da Índia, onde mais de 130 pessoas morreram após terem ingerido álcool adulterado.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.