Golfinhos brancos no sul da China estão em risco de extinção

Projetos imobiliários na zona do Delta do Rio das Pérolas comprometem a qualidade das águas e o habitat da espécie. Biólogo fala em "roubo do mar"

Dezenas de projetos imobiliários e de infraestruturas em curso na região do Delta do Rio das Pérolas, no sul da China, estão a comprometer a vida marinha local, ameaçando de extinção os golfinhos brancos, alertaram vários cientistas.

O número de golfinhos brancos no sul da China atingiu um "número crítico", apontou na passada semana um relatório publicado pelo Departamento de Pesca e Conservação da Agricultura chinês, segundo o qual apenas 47 golfinhos foram avistados em Hong Kong entre abril de 2017 e março deste ano.

Esta quarta-feira, em declarações ao jornal diário South China Morning Post, vários cientistas marinhos garantem que os projetos naquela região estão a comprometer a qualidade das águas e o habitat daquela espécie.

"Já temos edifícios alfandegários e a ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau. Já existem cerca de 30 projetos em curso no Delta do Rio das Pérolas. Todos têm impacto na reprodução e sobrevivência dos golfinhos brancos chineses", disse àquele jornal diário Kenneth Leung Mei-yee, professor de ecologia aquática e toxicologia da Universidade de Hong Kong.

Leung faz parte de um número crescente de cientistas marinhos preocupados com as consequências dos projetos de recuperação de terras na região do Delta, que integra a zona da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e pretende assumir-se como a mais dinâmica da Ásia em 2020.

Para o biólogo marinho David Baker, professor assistente na mesma Universidade, estamos perante "um roubo do mar" e não apenas um projeto de "recuperação de terras".

"Acho que precisamos de olhar para esta questão com uma abordagem diferente", sublinhou, lançando a questão: "que valor tem para a sociedade um fundo do mar sem ser perturbado" pela ação humana?

Perante o relatório do Departamento de Pesca e Conservação da Agricultura, os especialistas apontam não apenas para a destruição irrecuperável de habitats, mas também da microbiota (conjunto dos micro-organismos que habitam um ecossistema).

Por fim, garantiram que o impacto da ação humana no fundo do mar e a substituição de praias e zonas húmidas por muros de betão podem contribuir para o aumento de inundações costeiras e afetar negativamente o sistema ecológico, com a proliferação de algas nocivas.

Exclusivos