China reconhece que Pyongyang violou resoluções da ONU

Pequim promete "resposta necessária" em conjunto com os outros membros do Conselho de Segurança.

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, admitiu hoje que o lançamento do míssil norte-coreano que sobrevoou o Japão "violou as resoluções das Nações Unidas e minou os tratados de não proliferação".

"A China não é a favor [do lançamento do míssil] e estamos a trabalhar com outros membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas", afirmou Wang, numa conferência de imprensa em que prometeu "dar a resposta necessária".

O ministro chinês lembrou que China e Coreia do Norte "são vizinhos e têm uma velha amizade", mas Pyongyang "violou as resoluções e, por isso, como membro permanente do Conselho de Segurança e país importante e responsável, a China deve tomar uma posição clara".

Wang Yi sublinhou que o seu Governo "cumprirá totalmente com as resoluções" da ONU e sublinhou que estas são importantes para tentar "conter o programa nuclear e de mísseis norte-coreano".

O ministro apelou ainda "a todas as partes para que não empreendam ações que resultem numa escalada de tensões".

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pediram também hoje que se eleve até um "nível extremo" a pressão sobre Pyongyang.

O regime norte-coreano realizou o teste em protesto contra as manobras militares que Washington e Seul estão a realizar na península coreana, e que Pyongyang considera um exercício para uma invasão.

A China é o principal aliado e parceiro comercial da Coreia do Norte, mas tem-se afastado do regime de Kim Jong-un, devido à sua insistência em desenvolver um programa nuclear.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG