Bruxelas garante 225 milhões de doses de potencial vacina alemã

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sublinha que a instituição por si liderada está a "cumprir a sua promessa de garantir aos europeus e ao mundo um acesso rápido a uma vacina segura" contra o coronavírus.

A Comissão Europeia anunciou nesta quinta-feira um acordo prévio de aquisição com a farmacêutica alemã CureVac para assegurar 225 milhões de doses de uma potencial vacina para a covid-19, que serão distribuídas pelos Estados membros da União Europeia (UE).

"Prevê-se que a Comissão disponha de um quadro contratual para a compra inicial de 225 milhões de doses em nome de todos os Estados membros da UE, a fornecer logo que uma vacina se tenha revelado segura e eficaz contra a covid-19", informa o executivo comunitário em comunicado.

Segundo a Comissão Europeia, "o contrato previsto com a CureVac proporcionaria a todos os Estados membros da UE a possibilidade de adquirirem a vacina, bem como fazer doações aos países de baixo e médio rendimento ou de redirecioná-la para países europeus".

Este é o quarto anúncio feito por Bruxelas sobre acordos com empresas do setor farmacêutico para potenciais tratamentos ou vacinas para o novo coronavírus, que surge após negociações concluídas com a Sanofi-GSK, em 31 de julho, e a Johnson & Johnson, em 13 de agosto, e a assinatura, em 14 de agosto, de um acordo prévio de aquisição com a AstraZeneca.

Sediada em Tübingen, na Alemanha, a CureVac é uma empresa europeia pioneira no desenvolvimento de uma classe de vacinas totalmente nova, tendo como princípio básico a utilização de uma molécula como um suporte de informações, com a ajuda das quais o corpo humano pode produzir as suas próprias substâncias ativas para combater várias doenças.

Esta empresa biofarmacêutica esteve envolta em polémica em março passado, quando o surto de covid-19 se intensificou na Europa, por alegada tentativa de compra, por parte da administração norte-americana, da potencial vacina da CureVac para a covid-19, notícia entretanto desmentida pela biofarmacêutica.

Também nessa altura, a Comissão Europeia disponibilizou até 80 milhões de euros ao laboratório alemão CureVac.

Entretanto, já em julho, o Banco Europeu de Investimento e a CureVac assinaram um acordo de empréstimo de 75 milhões de euros para o desenvolvimento e a produção de vacinas em larga escala, incluindo a vacina candidata contra a covid-19.

As negociações exploratórias concluídas nesta quinta-feira com esta companhia alemã deverão culminar num acordo prévio de aquisição financiado pelo Instrumento de Apoio de Emergência, que dispõe de fundos dedicados à criação de uma carteira de possíveis vacinas com perfis diferentes e produzidas por diferentes empresas.

Citada pelo comunicado, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sublinha que a instituição por si liderada está a "cumprir a sua promessa de garantir aos europeus e ao mundo um acesso rápido a uma vacina segura" contra o coronavírus.

"Cada ronda de negociações concluída com a indústria farmacêutica aproxima-nos da vitória contra este vírus. Teremos em breve um acordo com a CureVac, a inovadora empresa europeia que beneficiou anteriormente de financiamento da UE para produzir uma vacina na Europa. E as nossas negociações prosseguem com outras empresas para encontrar a tecnologia que nos proteja a todos", conclui Von der Leyen.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 781 194 mortos e infetou mais de 22,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1786 pessoas das 54 701 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG