Brasil tinha 2,6 milhões de menores de idade a trabalhar em 2015

Estudo identificou menores entre os 5 e os 17 anos. Há ainda 5,8 milhões de crianças brasileiras em extrema pobreza

No Brasil havia cerca de 2,6 milhões de crianças e jovens trabalhadores - entre os 5 e os 17 anos - em 2015, segundo um relatório divulgado hoje pela Fundação Abrinq.

O estudo, intitulado "Cenário da Infância e Adolescência 2017" e que utilizou dados oficiais do Governo, também revelou que 5,8 milhões de crianças brasileiras entre os 0 e os 14 anos (13,5%) viviam em extrema pobreza, com um rendimento familiar per capita inferior a 65 dólares (60 euros).

A Fundação Abrinq é uma organização não-governamental que promove a defesa dos direitos de crianças e adolescentes.

Além disso, 40,2% das crianças brasileiras entre os 0 e 14 anos (equivalente a cerca de 17,3 milhões de crianças e adolescentes) viviam em famílias de baixo rendimento, ou seja, com um rendimento familiar per capita inferior ou igual à media do salário mínimo, cerca de 130 dólares (120 euros).

De acordo com a Fundação Abrinq, em 2015 houve um aumento de 8.500 crianças entre os 5 e 9 anos em situação de trabalho infantil em comparação com 2014, embora tenha sido detetada uma redução de 659.000 crianças e adolescentes entre 10 e 17 anos.

A região nordeste do país, a mais pobre, e a sudeste, a mais rica, são as que mais concentram crianças e adolescentes trabalhadores.

A maior concentração de pobreza infantil, com rendimento familiar igual ou inferior a meio salário mínimo, foi registada no nordeste (60%) e no norte (54%).

Os números do relatório mostram que as regiões do Brasil onde há mais crianças e adolescentes foram precisamente aquelas que tiveram piores indicadores sociais.

Apenas 30% das crianças brasileiras tiveram acesso a uma creche, um número que na região norte cai para 25%.

A Fundação Abrinq alertou sobre a violência contra crianças e jovens no país: 18,4% dos homicídios foram contra pessoas com menos de 19 anos de idade e 80% destes foram com armas de fogo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG