Ativista arrisca pena de prisão por aparecer em vídeo do The New York Times

O vídeo de nove minutos conta como o homem processou funcionários locais por impedirem o ensino da cultura e língua do Tibete

Um ativista que promove a língua tibetana está a ser julgado na China por incitar ao separatismo, depois de ter aparecido num documentário produzido pelo jornal norte-americano The New York Times (NYT).

Citado pela agência The Associated Press, o advogado de Tashi Wangchuk, Liang Xiaojun, afirmou hoje que o seu cliente expôs durante quatro horas os seus argumentos a um juiz, na província de Qinghai.

Tashi, que foi detido em janeiro de 2016, dois meses depois de o jornal norte-americano ter publicado o vídeo e respetivo artigo, alegou a sua inocência. Caso seja considerado culpado, poderá enfrentar uma longa pena de prisão. Não existe ainda data para a publicação do veredicto.

Liang revelou à AP que os procuradores apresentaram evidências com base num vídeo de nove minutos do NYT, de 2015, que conta como Tashi processou funcionários locais por impedirem o ensino da cultura e língua tibetana.

A versão 'online' do NYT está bloqueada na China.

Com apenas cerca de três milhões de habitantes, o Tibete é uma das regiões chinesas mais vulneráveis ao separatismo, com os locais a argumentarem que o território foi durante muito tempo independente, até à sua ocupação pelas tropas chinesas em 1951.

Por outro lado, Pequim considera que a região, que tem uma área equivalente ao dobro da Península Ibérica é, desde há séculos, parte do território chinês.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.