António Guterres. "Se não mudarmos a nossa vida, podemos já não ter vida para mudar"

Na abertura da Cimeira do Clima, em Madrid, o secretário-geral das Nações Unidas lembrou que é necessária uma ação concertada na luta contra as alterações climáticas, incentivando os países a aumentarem o nível dos seus compromissos com o ambiente nos próximos dias.

É preciso rever o investimento em politicas ambientais, regulamentar os mercados de carbono, apoiar os países que sofrem com catástrofes ambientais e evitá-las sempre que possível. Este e o desafio que o secretário geral das Nações Unidas, António Guterres, deixa aos mais de 190 países presentes na Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, que começa esta segunda-feira, em Madrid.

No discurso de abertura da cimeira, o português deu aos presentes duas opções: a inação ou a luta contra as alterações climáticas, incentivando, no entanto, "o caminho da esperança". António Guterres lembrou os relatórios das Nações Unidas sobre o ambiente, divulgados nos últimos dias, que alertavam para um nível histórico de emissões de gases na atmosfera.

É preciso reduzir mais de cinco vezes a quantidade de emissões, sob pena de as ondas de calor e das tempestades atingirem a Terra de forma irreversível. Se estas metas não forem ajustadas e cumpridas, a temperatura do planeta pode subir 3,2 graus centígrados neste século, deixando para trás o objetivo dos 1,5ºC.

"As consequências já se estão a fazer sentir. Se não mudarmos a nossa vida, podemos já não ter vida para mudar", afirmou António Guterres, que defendeu uma mudança concertada que envolva todos os intervenientes sociais. "É necessário mudar a economia, o trabalho e os atos individuais. Se queremos a mudança, temos de ser a mudança. Não há tempo, nem razão para adiar a mudança. Temos a tecnologia e a ciência necessárias, só temos de mostrar a vontade".

E a COP25 (como e conhecida a Conferencia das Partes sobre as Alterações Climáticas) e o lugar para começar a dar passos nesse sentido. O sucesso da reunião mundial depende das negociações que decorrerão nas próximas duas semanas e dos anúncios que se espera que os países façam para tornar mais ambiciosas as metas do Acordo de Paris (2015), insuficientes para travar a luta contra as alterações climáticas. Na cimeira do próximo ano, que acontecerá em Glasgow, no Reino Unido, os países terão obrigatoriamente de rever as metas estipuladas no tratado assinado na capital francesa e Madrid será a primeira etapa para alcançar a mudança.

Pedro Sánchez, o primeiro-ministro espanhol, anfitrião da cimeira com organização conjunta entre Espanha e o Chile (que deveria ter recebido a conferência, mas que cancelou por causa da onda de protestos que tem assolado o pais), já deu o primeiro passo. Num discurso feito a seguir ao secretário-geral das Nações Unidas, Pedro Sánchez mostrou o empenho espanhol, anunciando que o pais esta preparado para duplicar a sua contribuição na redução das emissões de gases.

"Devemos chegar à cimeira de Glasgow 2020 com contribuições nacionais muito mais ambiciosas" e com estratégias de descarbonização a longo prazo "ordenadas, justas e eficientes", afirmou. Pedro Sánchez manifestou a esperança de que a cimeira "marque um antes e um depois" e que faça de Madrid a "capital mundial na luta contra a emergência climática" e o multilateralismo, que na sua opinião terá de ser reforçado.

Enfatizou ainda que "apenas alguns negam as evidências" das mudanças climáticas e que, neste momento, "não há alternativa senão agir com factos, com ações". A batalha contra a emergência climática, defendeu, exige coragem e determinação, solidariedade e liderança e, acima de tudo, passar das palavras para a ação.

Portugal tem uma boa história para contar, diz António Costa

Em representação de Portugal na COP25, António Costa fez parte de uma mesa redonda sobre os planos nacionais para aumentar "a ambição das metas" de combate à poluição ao lado de outros responsáveis políticos.

"Temos dois deveres, ouvir os cientistas e o dever imperioso de agir" para salvar o planeta das consequências das alterações climáticas, disse o primeiro-ministro português. O chefe do Governo português explicou que "o tempo é curto, não só porque há uma ameaça sobre os ursos polares, mas também porque há uma ameaça sobre a humanidade".

Depois desta primeira mensagem aos líderes, Costa transmitiu uma outra mais positiva: "É possível agir e vale a pena agir", disse o primeiro-ministro, dando em seguida uma série de exemplos da experiência portuguesa na luta contra as alterações climáticas. "Portugal tem hoje 54% da eletricidade que consome com origem em fontes renováveis", realçou António Costa, acrescentando que o aumento foi conseguido numa altura em que "muitos receavam o impacto económico desta mudança energética".

O chefe do Governo referiu que em 2018 o país reduziu "três vezes" as emissões de gases nocivos para a atmosfera relativamente à dimensão do conjunto da União Europeia e conseguiu, mesmo assim, ter um crescimento económico acima da média europeia. "A transição energética não nos prejudicou no nosso crescimento", concluiu António Costa, que em seguida também deu o exemplo da "diminuição do custo da energia em Portugal em 8%, enquanto na União Europeia aumentava 6%".

O primeiro-ministro insistiu que a energia renovável "pode ser uma energia mais barata". "Temos a responsabilidade de ir ainda mais longe e ainda mais rapidamente", foi a terceira mensagem que António Costa levou à reunião de líderes, explicando que Portugal aprovou um roteiro que fixou que em 2030 haja 80% da energia elétrica com origem em fontes renováveis.

Em Bilbau, no domingo à noite, em declarações aos jornalistas sobre a COP25, o primeiro-ministro defendeu que Portugal tem "uma boa história para contar" no domínio ambiental, já que "começou há dez anos a construir um investimento muito forte, o que permite ao país ter agora um nível de incorporação de energias renováveis sem comparação com outros países".

"Para o ano, Lisboa vai ser a capital verde da Europa - e é a primeira vez que uma cidade do sul da Europa vai ser capital verde. Por outro lado, uma das grandes prioridades da política externa portuguesa para o próximo ano é organizar a conferência mundial sobre os oceanos no quadro das Nações Unidas", disse, citado pela Lusa.

Esta conferência mundial, de acordo com o primeiro-ministro, será coorganizada com o Quénia e terá lugar em Portugal sobre o tema dos oceanos. "A questão dos oceanos é crítica para enfrentarmos as alterações climáticas", sustentou António Costa.

Na perspetiva do primeiro-ministro, Portugal "começou a mudar e já tem resultados concretos dessa mudança".

"Uma das provas importantes foi o leilão que fizemos de energias renováveis com base no solar em junho passado e em que conseguimos bater o recorde mundial da energia mais baixa de todo o mundo. Isso demonstra que é possível outro caminho - e é isso que vou dizer na COP25. Portugal tem provas dadas", acrescentou.

Meia centena de líderes mundiais estão esta segunda-feira na abertura da Cimeira sobre Alterações Climáticas, em Madrid. Entre eles, a nova comissária europeia Ursula von der Leyen, o primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, e o de França, Edouard Philippe, ou o presidente da Argentina, Mauricio Macri.

Ao todo são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...