Álcool adulterado na Índia. Sobe para 133 o número de mortos

Pelo menos 133 pessoas morreram e mais de 220 foram hospitalizadas no nordeste da Índia após o consumo de álcool adulterado, indicaram este domingo as autoridades locais, em novo balanço.

É já um dos mais mortíferos incidentes relacionados ao consumo de álcool ilegal e adulterado no país, que acontece geralmente em zonas rurais ou em áreas pobres das cidades, devido ao baixo preço.Entre as vítimas encontram-se, sobretudo, trabalhadores de plantações de chá dos distritos de Golaghat e Jorhat , no estado de Assam, no nordeste do país.

O anterior balanço apontava para 69 mortos e duas centenas de hospitalizados.

O chefe do governo do estado de Assam, Sarbananda Sonowal, já ordenou a abertura de uma investigação. A polícia anunciou a detenção de um homem que vendia álcool e a suspensão de dois elementos das autoridades fiscais do distrito por não terem tomado as devidas precauções antes da venda do álcool.

Em meados de fevereiro, cem pessoas morreram durante um fim de semana devido à ingestão de álcool adulterado, além de muitas outras vítimas terem sido hospitalizadas, em uma área que abrange os estados de Uttar Pradesh e Uttarakhand (norte), a 150 quilómetros a norte da capital Nova Deli.

À data, a polícia desencadeou uma operação contra destilarias ilegais.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.