Advogado de Trump gravou conversa sobre pagamentos deste a ex-modelo da Playboy

Michael Cohen, o advogado do presidente dos EUA, terá gravado uma conversa, antes das eleições presidenciais, em que ambos se referiram a pagamentos a uma ex-modelo da Playboy que dizia ter tido um caso com Donald Trump.

O diário New York Times, que divulgou a informação, cita advogados e outras fontes conhecedoras da gravação, apreendida pelo FBI durante uma busca ao escritório de Cohen, no âmbito da investigação pelo seu envolvimento no pagamento a mulheres com o objetivo de silenciar notícias potencialmente prejudiciais para Trump antes das eleições de 2016.

A investigação criminal federal procura esclarecer se estes pagamentos violaram as leis de financiamento de campanhas eleitorais.

Durante a rusga do mês de abril o FBI confiscou vários documentos que revelavam uma transferência de 130.000 dólares (112.000 euros) do advogado de Trump para a atriz porno Stormy Daniels.

No decurso destas buscas, e segundo referiu o NYT na ocasião, os agentes federais também detetaram documentos relacionados com duas outras mulheres, uma delas Karen McDougal, ex-modelo da Playboy que afirmou ter mantido uma relação de um ano com Trump em 2006 e foi hoje identificada como a mulher da gravação.

No ano anterior, em 2005, Trump casara-se com Melania, em Palm Beach, na Florida. A 20 de março de 2006 o casal teve um filho, Barron.

McDougal considerou ser o momento para vender a sua história e optou por conceder uma entrevista por 150.000 dólares (129.000 euros) ao tabloide National Enquirer, cujo diretor executivo, David J. Pecker, é amigo de Trump e decidiu não publicar qualquer informação.

O advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani, confirmou hoje ao NYT que o presidente fala na gravação - menos de dez minutos - com Cohen sobre o pagamento à mulher, mas frisou que o pagamento acabou por não se concretizar, sendo este documento "uma poderosa prova de desculpabilização".

"Nada nesta conversa sugere que [Trump] teve qualquer conhecimento prévio sobre isto", disse Giuliani, para acrescentar que Trump indicou a Cohen que se tivesse que efetuar um pagamento que fosse em cheque e não em dinheiro corrente.

Segundo a CNN, que cita fontes conhecedoras do dossiê, ao ter conhecimento da gravação o presidente dos EUA terá dito: "Não acredito que o Michael me tenha feito uma coisa dessas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG