Lisboa acolhe a maior conferência de media na era da realidade aumentada

GEN Summit está marcada para os dias 30 e 31 de maio e 1 de junho

Foi apresentada esta quarta-feira, em Lisboa, a edição deste ano daquela que é uma das mais importantes conferências de media do mundo. A GEN Summit vai acontecer no Pátio da Galé, em Lisboa, entre os dias 30 de maio e 1 de junho, com uma edição que tem por tema: "A caminho da realidade aumentada nas redações".

Na conferência de imprensa de apresentação, Bertrand Pecquerie, CEO da Global Editors Network (GEN), mostrou-se satisfeito por terem escolhido a cidade de Lisboa para acolher esta conferência por dois anos (2018 e 2019) e falou dos desafios que os media enfrentam e como se pode chegar a soluções.

Pelo Pátio da Galé vão passar mais de 750 diretores, académicos, executivos noticiosos e inovadores dos media de mais de 70 países. No conjunto, vão discutir tendências, desafios e visões do jornalismo de hoje e do futuro. Noventa oradores vão debater os três principais temas que estão divididos pelos três dias da conferência: Disrupção, personalização e monetização.

Com oradores vindos do Washington Post, ProPublica, Reuters, Universidade de Columbia, BBC, Google ou India Today, Bertrand Pecquerie não tem dúvidas que estão reunidas as condições para atrair muitos interessados. "Estamos a selecionar os melhores oradores e ainda há poucos dias estivemos a fechar nomes e os participantes percebem esse cuidado na escolha e por isso esgotam a GEN Summit." Até porque: "São pessoas que têm soluções para os problemas e ideias", garantiu.

As notícias escritas por robôs

Na antecipação do futuro parece haver uma certeza. As redações vão ter robôs que produzem notícias. Nisso acreditam Bertrand Pecquerie e João Vasconcelos, consultor sénior da Clearwater International e antigo secretário de Estado da Indústria. "A redação de realidade aumentada vai ter robôs que vão ser mais rápidos e que não são inimigos dos jornalistas", defendeu o CEO da GEN.

Para João Vasconcelos, que deu uma masterclass antes da conferência de apresentação da GEN Summit, os robôs irão estar nas redações "para fazer as notícias que não precisam de intervenção humana e vão ser mais rápidos".

Aos jornalistas vai caber o trabalho "de investigação aprofundada", apontou Bertrand Pecquerie. No evento, do qual a Global Media é parceira, vão estar representantes da Associated Press e Reuters, que o responsável da GEN considerou serem "pioneiros na integração de inteligência artifical na redação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.