As notícias também já têm direito a um museu

O NewsMuseum pretende recordar episódios da história de Portugal e do mundo, através da sua cobertura jornalística.

O NewsMuseum, espaço museológico dedicado às notícias e à comunicação, no centro histórico de Sintra, vai ser inaugurado no próximo dia 25 de abril, foi hoje anunciado pelo presidente da autarquia.

"Creio que é uma inovação muito grande, não só pelos meios técnicos utilizados, mas essencialmente pelos conteúdos", comentou Basílio Horta (PS), presidente da Câmara de Sintra, durante uma visita aquele novo equipamento cultural, considerando que o museu "será uma grande mais-valia" não só para a vila mas também para o país.

O futuro Museu das Notícias, dos Media e da Comunicação ocupa as antigas instalações do Museu do Brinquedo, num imóvel que o município cedeu por 20 anos a uma associação criada por Luís Paixão Martins, antigo jornalista e empresário do setor da comunicação.

"Acho que este museu tem aqui o melhor que a comunicação social tem, em todos os setores, desde a religião à política, passando pelo desporto", acrescentou Basílio Horta, durante uma pré-visita ao NewsMuseum.

O equipamento terá mais de 25 módulos temáticos distribuídos pelos três andares do edifício, que pretende recordar "episódios da história de Portugal e do mundo, através da sua cobertura jornalística" e com uma "abordagem interativa, que permite ao visitante não só ver como também 'participar' nas estórias", explica uma nota do novo museu.

"Acho que o iArena, um 'lounge' que é uma espécie de iPad, com 67 metros quadrados, tem alguma evolução tecnológica da nossa parte", destacou Luís Paixão Martins, acrescentando que a sala, com um ecrã 'touch'" com uma visão a 360 graus, vai proporcionar "uma grande dose de interatividade".

O diretor do NewsMuseum, Rodrigo Moita de Deus, também apontou a sala como "a experiência mais espetacular", devido à "densidade de conteúdos" apresentados naquele espaço.

A sala possui áreas temáticas dedicadas aos jornalistas que se tornaram notícia, uma estante multimédia sobre comunicação, a descrição do Bairro Alto (Lisboa), onde antes se concentraram os principais jornais nacionais, e o "altar dos 'media'" relacionado com Fátima.

Uma torre metálica com 70 monitores (A Pirâmide de Babel), no acesso aos três pisos, estará ligada aos principais canais televisivos de notícias do mundo, a par da projeção de centenas de títulos em tempo real na aplicação "último minuto" apresentando os assuntos da atualidade, com base nos 'media' nacionais e internacionais.

Além de áreas dedicadas, entre outras, à "propaganda", "géneros" jornalísticos, "bad news", "mind games" e "guerras", os visitantes poderão observar equipamentos cedidos pela agência noticiosa portuguesa Lusa e a sua congénere espanhola EFE.

Uma réplica do estúdio da Rádio Clube Português, onde foi lido o comunicado do Movimento das Forças Armadas em 25 de abril de 1974, uma galeria de homenagem perpétua aos jornalistas e um espaço de realidade virtual sobre os futuros suportes de comunicação são outras secções.

O museu possui ainda um pequeno auditório e um espaço para emissões televisivas "em direto", áreas vocacionadas para as escolas, que Rodrigo Moita de Deus resume ter o objetivo de "fazer a literacia dos 'media'" junto dos mais novos.

No final da visita, o NewsMuseum assinou um protocolo com o presidente da RTP, Gonçalo Reis, para a cedência de conteúdos da estação pública ao novo museu.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.