Dos centros de saúde ao Edifício Cruzeiro. Cascais investe 182 milhões até 2025

O município cascalense tem em curso seis obras no valor de 20 milhões de euros. Sem contar com os projetos da habitação, a educação é a área que terá mais investimento até ao final do atual mandato, atingindo os 73 milhões de euros, segue-se o ambiente, com 71 milhões.

A Câmara de Cascais tem a decorrer seis obras que representam um investimento de 20 milhões de euros. A revelação foi feita o DN por Carlos Carreiras, presidente da autarquia, assegurando que se trata de parte de um plano de 182 milhões que será levado a cabo até final do mandato, em 2025. A reabilitação da lota e Docapesca de Cascais, do Edifício Cruzeiro (Estoril) e a construção do novo centro de saúde de Carcavelos são alguns dos seis projetos que estarão prontos nos próximos meses.

"Isto insere-se no âmbito de um projeto de investimentos muito maior do que os 20 milhões. Vou tirar daqui a parte da habitação, porque é mais pesada e está ainda dependente dos processos do PRR, estamos a falar em cinco grandes áreas: educação, saúde, juventude, cultura e ambiente", explica Carlos Carreiras ao DN. "Essas áreas representam um investimento de 182 milhões de euros para este mandato. Sendo que na parte da educação são 73 milhões, na saúde são 18 milhões, na juventude são dois milhões, na cultura 18 milhões e no ambiente 71 milhões." Destes 182 milhões, há uma fatia que já foi investida, outra que ainda está em procedimentos para serem lançados os contratos e os tais 20 milhões de euros em obras que estão a decorrer neste momento.

O edifício da Docapesca, na Baía de Cascais está a ser reabilitado, sendo que irá nascer ali uma zona dedicada à restauração com três restaurantes do chef Vítor Sobral (um de peixe, um de carne e outro de tapas), enquanto a lota também surgirá com novas valências. Os restaurantes vão abrir até junho e todo o sistema estará a funcionar em setembro. O investimento nesta obra é partilhado entre a autarquia (1,2 milhões de euros), Vítor Sobral (1,7 milhões) e a Docapesca (400 mil euros). "Este projeto vai permitir valorizar o pescado. Vai ter lojas de venda de peixe dos pescadores diretamente à população, permitindo cortar com a cadeia intermediária. Outra atividade que está prevista é o turista poder ir com o pescador fazer a faina e depois escolher qual o peixe que quer comer", refere o autarca cascalense.

A sofrer obras de renovação está também o Edifício Cruzeiro, no Estoril, conhecido por ter sido um dos primeiros centros comerciais do país, em 1951. Ali vai ser criado um auditório municipal com 400 lugares, uma biblioteca especializada em cinema e irá albergar a Escola de Teatro, a Orquestra Sinfónica e uma academia de dança. A inauguração já está a ser organizada e está prevista para setembro. São oito milhões de euros de investimento.

Ainda na área da cultura está a decorrer a intervenção no Casal Saloio, em Outeiro Polima (São Domingos de Rana), que estará concluída em finais de agosto e representa um investimento de 1,1 milhões de euros.

No que diz respeito à juventude, o único projeto previsto da Câmara de Cascais é a construção, já a decorrer, de uma Loja Jovem na Parede. Estas instalações vão ficar junto à estação de comboios e tem data de conclusão prevista para abril do próximo ano. "Esta era a freguesia mais envelhecida do concelho, mas que agora está a receber as universidades", justifica Carreiras. Também na Parede, no início do próximo ano, estará concluído o pavilhão da Escola de Santo António, uma obra que ronda um milhão de euros.

Em Carcavelos, que pertence à mesma freguesia, está a ser construído um novo centro de saúde, que irá beneficiar 25 mil pessoas, representando um investimento de 6,250 milhões de euros. A obra deverá ficar concluída em março de 2023, mas Carlos Carreiras acredita que poderá ter ser antecipada em cerca de um mês.

Ribeiras requalificadas e novos espaços verdes

A Câmara de Cascais pretende até ao final do mandato requalificar todas as escolas do concelho, sendo que uma será construída de raiz e três sofrerão grandes ampliações que quase vão duplicar a capacidade, sendo que, no total, quatro serão alvo de grandes intervenções - as escolas Fernando Lopes Graça, Secundária de São João do Estoril, Ibn Mucana e de Santo António. "Em novas escolas são 55 milhões de euros, em requalificação são investidos 14 milhões e na transição digital são mais quatro milhões", diz o autarca social-democrata. A atual escola Secundária de Cascais, que se encontra muito deteriorada, dará lugar a novas instalações e o concurso deverá ser lançado dentro de dois meses.

Também na cidade de Cascais vai ser construído um novo centro de saúde, que terá a particularidade de albergar também uma delegação do Instituto de Medicina Legal de Lisboa. O investimento será de seis milhões de euros e o concurso deverá ser lançado ainda este ano. Isto depois de o processo ter sofrido atrasos por terem sido encontradas ossadas antigas no local.

"No que diz respeito ao ambiente, vamos fazer a recuperação de ribeiras, com a particularidade de que estamos a assumir que se tratam de verdadeiros corredores verdes. Trata-se, por isso, de uma aposta forte ao nível da mobilidade suave, para além de reduzir os riscos de cheias", refere Carlos Carreiras, adiantando que se trata de um investimento de 52 milhões de euros. Vão ainda ser criados novos espaços verdes no concelho, nomeadamente na Quinta da Carreira (São João do Estoril), junto às ruínas romanas em Freiria e no Vale de Santa Rita (Estoril). A autarquia planeia ainda investir cinco milhões de euros numa intervenção no Parque Natural Sintra-Cascais.

ana.meireles@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG