Zelensky vai falar na próxima cimeira da NATO

O chefe de Estado ucraniano vai intervir na sessão de abertura da cimeira da NATO, que vai decorrer no final do mês em Madrid. Antes, Zelensky vai participar na reunião do G7, entre 26 e 28 de junho, na Baviera.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, vai participar por videoconferência na cimeira da NATO, que vai decorrer em Madrid, a 29 e 30 de junho, disse o diretor adjunto do gabinete presidencial.

Zelensky "foi convidado a falar na primeira sessão desta cimeira, ou seja, na sessão de abertura, que vai contar com a presença dos 30 líderes, os aliados da NATO", acrescentou Ihor Zhovkva, citado pela agência de notícias ucraniana Ukrinform.

Zhovkva sublinhou que a cimeira deverá adotar um novo conceito estratégico de defesa da NATO para a próxima década e, na declaração final, a ser aprovada no final da cimeira, a situação na Ucrânia, bem como a invasão russa vão estar em destaque no documento.

Cerca de 40 líderes mundiais, incluindo dos países-membros da NATO e convidados, deverão marcar presença na cimeira de Madrid, além de cinco mil participantes.

Zelensky também aceitou um convite da Alemanha para participar na próxima cimeira do G7, que vai decorrer entre 26 e 28 de junho, na Baviera.

Não é ainda conhecido se Zelensky, que não saiu da Ucrânia desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, vai participar presencialmente ou por videoconferência na cimeira do G7.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 15 milhões de pessoas de suas casas, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A ONU confirmou que 4.569 civis morreram e 5.691 ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG