Ucrânia pede desmilitarização de central nuclear e Guterres alerta contra ataques "suicidas"

Zaporijia, o maior complexo de energia atómica da Europa, foi ocupado pela Rússia no início da invasão. António Guterres condenou os ataques recentes, sem responsabilizar nenhuma das partes.

Kiev pediu esta segunda-feira (8) o estabelecimento de uma zona desmilitarizada em torno de uma central de energia nuclear no leste da Ucrânia, onde os recentes combates com as forças russas levantaram temores de um acidente nuclear.

Zaporijia - o maior complexo de energia atómica da Europa - foi ocupada pela Rússia no início da invasão. Nos últimos dias, foi palco de confrontos que danificaram várias estruturas, obrigando a desligar um reator.

"O que precisa de ser feito é remover as forças de ocupação da central e criar uma zona desmilitarizada naquele território", disse Petro Kotin, presidente da empresa de energia nuclear da Ucrânia, Energoatom.

"O facto de estarem ali [militares] aumenta o perigo, daqui para frente, de um acidente com radiação ou mesmo de uma catástrofe nuclear", acrescentou em comunicado partilhado pela agência.

Os recentes combates na central levaram a agência nuclear da ONU, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), a alertar sobre "o risco muito real de um desastre nuclear".

Putin disse em comunicado que a Rússia enviou cerca de 500 soldados russos e 50 equipamentos militares para Zaporijia e que a situação na central conheceu uma "deterioração" nos últimos dias.

"Deveria haver uma missão de paz incluindo especialistas da AIEA e outras organizações de segurança. A sua presença e um controlo inicial teria resolvido este problema", acrescentou.

O Kremlin acusou esta segunda-feira as forças ucranianas de disparar contra a central atómica, alertando para possíveis "consequências catastróficas" para a Europa.

A Ucrânia acusou anteriormente as forças russas de disparar rockets contra a instalação. Kiev disse no mês passado que as forças russas estavam a armazenar armas pesadas na fábrica.

Qualquer ataque contra um central nuclear é "suicida", adverte secretário-geral da ONU

Qualquer ataque contra uma central nuclear é "suicida", alertou nesta segunda-feira (8) o secretário-geral da ONU, António Guterres, depois de um novo bombardeamento que atingiu o complexo nuclear no sul da Ucrânia.

Em conferência de imprensa em Tóquio, Guterres condenou os ataques, sem responsabilizar nenhuma das partes em conflito.

"Respaldamos a AIEA pelos seus esforços para criar as condições de estabilização desta central", disse. "Qualquer ataque contra uma central nuclear é uma coisa suicida. Espero que os ataques terminem e, ao mesmo tempo, espero que a AIEA consiga ter acesso ao local", completou.

O secretário-geral da ONU fez as declarações depois de visitar Hiroshima no fim de semana, onde discursou por ocasião do 77.º aniversário do primeiro ataque com uma bomba atómica no mundo.

O português também fez uma dura advertência sobre os horrores das armas atómicas há uma semana em Nova Iorque, durante uma conferência do Acordo de Não Proliferação Nuclear (TNP).

A humanidade está "a apenas um mal-entendido, a um erro de cálculo da aniquilação nuclear", disse Guterres, antes de pedir ao mundo para se desfazer das suas armas nucleares, "a única garantia de que nunca serão utilizadas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG