Putin exige a propriedade de uma igreja em Jerusalém em carta enviada a Bennett

A carta, enviada no domingo à noite, segundo o portal israelita Ynet, surge após a Rússia ter exprimido desconforto face à posição de Israel sobre a guerra na Ucrânia.

O Presidente Vladimir Putin exigiu que a Rússia fique com a posse da Igreja Alexander Nevsky, em Jerusalém, numa carta ao primeiro-ministro israelita, Naftali Bennett, argumentando que foi uma promessa feita pelo seu antecessor, Benjamin Netanyahu.

A disputa sobre a propriedade do templo, localizado na Cidade Velha de Jerusalém, também conhecido como Catedral da Santíssima Trindade e pertencente à Igreja Ortodoxa Russa, ressurgiu depois de Netanyahu ter prometido a Putin transferi-la para a Rússia, após a libertação em 2020 da israelita Naama Issachar de uma prisão russa depois de ter sido condenada por posse de canábis.

A carta, enviada no domingo à noite segundo o portal israelita Ynet, citado pela agência noticiosa espanhola EFE, surge após a Rússia ter exprimido desconforto face à posição de Israel sobre a guerra na Ucrânia.

Depois da ambiguidade das primeiras semanas, o Estado hebreu condenou o massacre de civis na cidade ucraniana de Bucha e apoiou a suspensão de Moscovo do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

O embaixador israelita em Moscovo, Alexander Ben Zvi, foi convocado no domingo pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros russo para esclarecer as declarações feitas pelo chefe da diplomacia israelita, Yair Lapid, que considerou que as mortes de civis em Bucha constituem um "crime de guerra".

"Houve uma tentativa mal camuflada de aproveitar a situação na Ucrânia para distrair a atenção da comunidade internacional de um dos mais antigos conflitos por resolver: o conflito israelo-palestiniano", assinalou o ministério russo.

A Rússia controla a propriedade de facto dessa igreja desde 1890, já que sob o Império Otomano foi reconhecida como pertencente ao "glorioso reino russo". Em 2017, Moscovo reivindicou pela primeira vez a propriedade do local nos tribunais israelitas com base nessa afirmação, apesar de o reino russo já não existir.

Em 2020, Netanyahu decidiu que a disputa de propriedade não podia ser resolvida em tribunal por se tratar de um "lugar sagrado" e ordenou ao governo russo que se registasse como proprietário da Igreja Alexander Nevsky junto do Comissariado de Registo de Propriedade de Israel.

Contudo, o novo governo de coligação, liderado por Naftali Bennett, devolveu a decisão ao Supremo Tribunal, que suspendeu o reconhecimento final da propriedade russa e estabeleceu um comité que deverá determinar a titularidade do local.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG