Militares norte-americanos capturados encontram-se em Donetsk

Alexander Drueke e Andy Huynh estiveram a combater perto de Kharkov, na Ucrânia oriental, e estão agora detidos na autoproclamada República Popular de Donetsk. O porta-voz do Kremlin disse que a Rússia não podia evitar que os norte-americanos não fossem condenados à morte, como aconteceu com dois cidadãos britânicos e um marroquino.

Os dois cidadãos norte-americanos que foram capturados pelas forças russas e pró-russas na Ucrânia encontram-se detidos no território da autoproclamada República Popular de Donetsk, indicou esta terça-feira uma fonte separatista da região à agência Interfax.

"Os dois mercenários norte-americanos Alexander Drueke e Andy Huynh, que foram capturados na Ucrânia, encontram-se em Donetsk", disse a fonte.

Os prisioneiros correspondem a dois antigos militares, de 39 e 37 anos, que estavam a combater perto de Kharkov, na Ucrânia oriental.

No dia anterior, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse à emissora norte-americana NBC que a Rússia não podia evitar que os norte-americanos não fossem condenados à morte, como aconteceu recentemente com dois cidadãos britânicos e um marroquino.

"Depende da investigação", comentou o porta-voz russo, que assegurou que os norte-americanos estiveram "envolvidos em atividades ilegais" na Ucrânia, ao disparar contra tropas russas e ao colocar a vida dos soldados russos em perigo.

"Haverá um julgamento em tribunal e chegaremos a uma decisão", disse ele, defendendo, porém, que ambos os prisioneiros devem ser "castigados" e "responsabilizados pelos crimes que cometeram".

Segundo a Rússia, estes cidadãos são mercenários e não pertencem ao Exército ucraniano, por isso não são abrangidos pela Convenção de Genebra sobre prisioneiros de guerra.

A televisão estatal russa divulgou na sexta-feira um vídeo de dois militares veteranos dos Estados Unidos, que desapareceram na semana passada enquanto combatiam na Ucrânia, noticiou a agência Associated Press (AP).

Drueke, que serviu no Exército dos EUA, e Huynh, que serviu nos fuzileiros, desapareceram depois do seu grupo ter ficado sob fogo pesado na região nordeste de Kharkiv, em 09 de junho.

A reportagem da televisão russa RT, que cita Alex Drueke, explica que os norte-americanos separaram-se do grupo e seguiram pela floresta, terminando numa vila onde foram abordados por uma patrulha russa e se renderam.

Washington tem insistido que qualquer capturado deve ser considerado prisioneiro de guerra e protegido por garantias de tratamento humano e julgamentos justos.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou 4.569 civis e causou a fuga de mais de 15 milhões de pessoas -- mais de 7,7 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG