Foi revelada conversa tensa entre Macron e Putin na véspera da invasão da Ucrânia

Num vislumbre extremamente invulgar de uma chamada telefónica confidencial entre chefes de Estado, Macron e a sua equipa foram filmados no Elysee a receber a chamada e as filmagens serão agora transmitidas como peça central de um documentário

A última conversa telefónica entre os presidentes de França e da Rússia, apenas quatro dias antes de Putin ordenar a invasão da Ucrânia, está cheia de tensão, de expressões ocasionais de respeito e de momentos bizarros.

Com a paz da Europa em causa, termina mesmo com Putin a dizer que era suposto estar a jogar hóquei no gelo e que estava a conversar a partir de um pavilhão desportivo.

Num vislumbre extremamente invulgar de uma chamada telefónica confidencial entre chefes de Estado, Macron e a sua equipa foram filmados no Elysee a receber a chamada e as filmagens serão agora transmitidas como peça central de um documentário sobre a forma como o presidente francês lidou com a guerra da Ucrânia, a ser transmitido quinta-feira na France 2 TV.

A chamada teve lugar na manhã de 20 de Fevereiro, quando o líder francês fez o que se revelou ser uma tentativa infrutífera de impedir a Rússia de entrar em guerra. Macron também propôs uma cimeira com o Presidente dos EUA Joe Biden, à que a Rússia virou as costas.

Macron tem sido elogiado por apoiantes, por tentar manter aberto um canal para Putin, com quem procurou cultivar uma relação, ao ponto de convidar o chefe do Kremlin para a sua residência de Verão em 2019.

Mas os seus detratores temem que a ânsia de diálogo do líder francês tenha sido explorada pela Rússia, prejudicando Kyiv pela sua insistência em não deixar a Rússia humilhada quando a guerra chegar ao fim.

"Ele está a mentir"

"Gostaria que primeiro me desse a sua leitura da situação e talvez muito diretamente, como é nosso hábito, me dissesse quais são as suas intenções", perguntou Macron a Putin, sem rodeios, no início da conversa.

"O que posso dizer? Você mesmo vê o que está a acontecer", retorquiu Putin, acusando a Ucrânia de romper os acordos de Minsk que reduziram a escala de um conflito que irrompeu em 2014.

Vladimir Putin acusou o presidente pró-ocidental ucraniano Volodymyr Zelensky de procurar uma arma nuclear. "De facto, o nosso querido colega Zelensky não está a fazer nada" para aplicar os acordos de Minsk, alegou Putin. "Ele está a mentir-vos", acrescentou, acusando também Macron de procurar rever Minsk.

"Não sei se o seu conselheiro jurídico aprendeu direito! Quanto a mim, apenas olho para os textos e tento aplicá-los", protestou Macron.

Putin argumentou então que as propostas dos separatistas da Ucrânia Oriental deveriam ser tidas em conta.

"Mas nós não nos importamos com as propostas dos separatistas", retorquiu Macron.

Apesar da tensão, Macron também procurou desempenhar o papel de mediador, dizendo que instará Zelensky a "acalmar todos" não só nas forças armadas ucranianas, mas também nos meios de comunicação social."Não ceda a provocações de qualquer tipo nas horas e dias vindouros", disse a Putin.

Como sempre fizeram nas suas conversas, ambos os homens usam a forma informal de "você" para se dirigirem um ao outro.

"Não o convenceu"

A chamada terminou com Macron a sugerir a Putin uma cimeira com Biden. Putin não se opôs, mas também não pareceu interessado em fixar uma data, ao mesmo tempo que insistiu que a reunião deveria ser totalmente preparada.

O Elysee informou então os repórteres que tinha sido alcançado um acordo de princípio para uma cimeira entre Biden e Putin, mas esta nunca teve lugar.

As palavras finais foram relativamente cordiais. "Em todo o caso, obrigado Vladimir. Manter-nos-emos em contacto em tempo real. Quando houver algo que me chame", disse Macron.

"Agradeço-lhe sr. Presidente", disse Putin, de repente deslizando para o francês.

Foi então que Putin revelou a Macron o que também estava na sua mente. "Para ser honesto, eu queria ir jogar hóquei no gelo. Aqui estou eu a falar-vos do pavilhão desportivo antes de iniciar o esforço físico. Mas primeiro vou falar com os meus conselheiros".

Quatro dias depois, em 24 de Fevereiro, a Rússia lançou a invasão, desencadeando uma guerra que ainda está em curso, mesmo se Moscovo falhou no seu aparente objetivo inicial de conquistar Kyiv.

Macron fez novos apelos a Putin mesmo após o início da invasão, mas as trocas de impressões secaram neste momento. O presidente francês sempre insistiu que era a coisa certa a fazer, mas também enfrentou críticas por finalmente fazer uma viagem a Kyiv para apoiar Zelensky apenas na semana passada e não antes.

"Não o convencemos e ele invadiu a Ucrânia", disse Macron aos cineastas. "Pensei que poderíamos encontrar, através da confiança e da discussão intelectual, um caminho com Putin", acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG