França deteta variante do vírus identificada na África do Sul

A presença da variante do vírus responsável pela covid-19 foi confirmada num homem que regressou de uma estadia na África do Sul e que reside no leste da França, perto da fronteira com a Suíça. A pessoa em causa, que já está agora curada, "isolou-se imediatamente em casa assim que os sintomas apareceram e não foram identificados contactos de risco.

O Ministério da Saúde francês anunciou esta quinta-feira que detetou o primeiro caso no país de uma pessoa infetada com a variante do vírus covid-19 identificada em primeiro lugar na África do Sul.

De acordo com o Ministério da Saúde, a presença da variante do vírus foi confirmada na quarta-feira num homem que regressou de uma estadia na África do Sul e que reside no leste da França, perto da fronteira com a Suíça.

O homem, que desenvolveu sintomas associados à doença, foi testado na Suíça e, com o teste positivo, foi feita uma análise da sequência do vírus, que confirmou a variante 501.V2, identificada em primeiro lugar na África do Sul e que é a responsável pela maioria dos novos casos neste país africano, o mais afetado pela pandemia no continente.

A pessoa em causa, que já está agora curada, "isolou-se imediatamente em casa assim que os sintomas apareceram e não foram identificados contactos de risco", disse o ministério da Saúde francês num comunicado citado pela AFP.

Variante identificada no Reino Unido também foi detetada em França

Um primeiro caso da variante identificada no Reino Unido este mês foi confirmado em França a 25 de dezembro, em Tours, no centro do país, num francês que tinha chegado de Londres alguns dias antes.

As autoridades sanitárias garantem estar "mobilizadas para identificar cada paciente contaminado o mais cedo possível para isolá-los, isolar os seus contactos e testá-los, e assim evitar a propagação das variantes da SARS-CoV-2 no território nacional".

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (CEPCD) alertou esta semana para o risco "elevado" destas variantes imprimirem pressão nos sistemas de saúde e serem uma causa de morte mais elevada devido à sua maior contagiosidade.

Para cada pessoa que regresse do Reino Unido ou da África do Sul com resultados positivos no teste à Covid-19, as amostras devem ser sequenciadas para confirmar a eventual presença de uma variante do vírus, de acordo com os peritos.

A França registou nas últimas 24 horas 26 467 novos casos de covid-19, totalizando assim 2 600 498 os casos desde o início da pandemia, segundo divulgaram as autoridades francesas na mais recente atualização.

Ainda nas últimas 24 horas, morreram 304 pessoas devido ao novo coronavírus, elevando assim o número total de óbitos no país a 64.381 desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1 806 072 mortos resultantes de mais de 82,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG