França autoriza profissionais de saúde positivos e sem sintomas a trabalhar

Esta medida visa fazer face à falta de profissionais de saúde em muitos hospitais franceses. Segundo Rémi Salomon, presidente da comissão médica que gere os 39 hospitais de Paris, há dias em que "há menos 25% de pessoal médico".

O Ministério da Saúde francês autoriza os profissionais de saúde a trabalharem infetados com covid-19 caso sejam assintomáticos, de acordo com uma mensagem que enviou a todas as estruturas médicas e ligadas ao setor social.

"Para todos os casos assintomáticos ou pouco sintomáticos, que não apresentem sinais respiratórios de excreção viral como tosse ou espirros, e caso disponham de uma vacinação completa, é possível uma derrogação ao isolamento", indica a mensagem de alerta rápido sanitária (MARS) enviada no domingo e consultada pela agência Lusa.

A informação foi avançada na quarta-feira pela agência norte-americana Associated Press, numa altura em que muitos hospitais em França enfrentam falta de profissionais de saúde devido ao elevado número de casos de covid-19.

Rémi Salomon, presidente da comissão médica que gere os 39 hospitais de Paris, disse na radio France Info que há dias em que "há menos 25% de pessoal médico".

De acordo com a mensagem da tutela, passaram a estar autorizados a trabalhar todos os profissionais que testem positivo e sejam assintomáticos, desde que "cumpram escrupulosamente os gestos barreira" e não participem em qualquer momento coletivo sem máscara.

As autoridades sanitárias precisam ainda que estes profissionais se devem dedicar "prioritariamente" a atividades onde "não entrem em contacto com pacientes com fatores de risco".

Estas novas diretivas foram dadas na mesma altura em que a França encurtou os períodos de isolamento para as pessoas que testem positivo de 10 para sete dias e até mesmo cinco, caso não haja sintomas e se faça um teste negativo.

Também na educação, a falta de professores devido aos casos de covid-19 está a ter um forte impacto, havendo atualmente 7% de professores infetados. O Ministério da Educação vai reunir-se esta quinta-feira de forma a encontrar soluções para manter o máximo de alunos possível nas escolas.

De forma a travar as contaminações na escola, o Governo anunciou esta quinta-feira a distribuição gratuita de máscaras cirúrgicas em todos os estabelecimentos de ensino. Até agora, os professores em França tinham recebido apenas máscaras em tecido, embora os sindicatos peçam máscaras FFP2.

A França anunciou também esta quinta-feira o fim da quarentena de 10 dias para todos os viajantes vindos da África do Sul, desde que as pessoas estejam completamente vacinadas. No entanto, os passageiros continuam a ter de apresentar um teste PCR ou antigénio negativo de menos de 48 horas para entrarem em França.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG