Dois britânicos e um marroquino que combatiam na Ucrânia condenados à morte por pró-russos

Durante um julgamento que durou três dias, os homens declararam-se culpados de cometer "ações destinadas a tomar o poder e derrubar a ordem constitucional da República Popular de Donetsk", disse a agência de notícias russa Interfax.

Rebeldes pró-Rússia condenaram à morte dois combatentes britânicos e um marroquino que foram capturados enquanto lutavam pela Ucrânia, enquanto um governador ucraniano pedia armas ocidentais esta quinta-feira para vencer a batalha por uma cidade crucial no leste.

Estas sentenças de morte surgem no momento em que Moscovo concentra o seu poder de fogo no centro industrial estratégico de Severodonetsk, onde o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky diz que a luta feroz pode determinar o destino de toda a área do Donbass.

As autoridades separatistas na região de Donetsk, que faz parte do Donbass, ordenaram a pena de morte aos britânicos Aiden Aslin e Shaun Pinner e ao marroquino Saaudun Brahim depois de serem acusados ​​de agir como mercenários para Kiev, informaram os media russos.

A Grã-Bretanha disse estar "profundamente preocupada" com as sentenças. "Sob a Convenção de Genebra, os prisioneiros de guerra têm direito à imunidade de combate", disse um porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson.

Os dois britânicos renderam-se em abril em Mariupol, a cidade portuária do sul que foi capturada pelas tropas russas após um cerco de semanas. Mais tarde, apareceram na televisão russa a pedir a Johnson que negociasse a sua libertação.

Brahim rendeu-se em março na cidade oriental de Volnovakha. Durante um julgamento que durou três dias, os homens declararam-se culpados de cometer "ações destinadas a tomar o poder e derrubar a ordem constitucional da República Popular de Donetsk", disse a agência de notícias russa Interfax.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG