Covid-19: Hong Kong pede à AstraZeneca que suspenda encomenda de vacinas

A decisão surge devido ao receio de efeitos secundários da vacina desenvolvida pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford. O regulador europeu indicou uma "possível ligação" entre o fármaco e "casos muito raros" de formação de coágulos sanguíneos.

Hong Kong anunciou esta sexta-feira que pediu à AstraZeneca para suspender a sua encomenda da vacina contra a covid-19 por receio de efeitos secundários e preocupações sobre a eficácia contra novas variantes do coronavírus.

Na quarta-feira, a Agência Europeia de Medicamentos indicou uma "possível ligação" entre a vacina da farmacêutica AstraZeneca e "casos muito raros" de formação de coágulos sanguíneos, mas insistiu nos benefícios do fármaco face aos riscos de efeitos secundários, dada a gravidade da pandemia.

O Governo britânico procurou na quinta-feira tranquilizar as pessoas sobre a segurança das vacinas, dizendo que o risco de adoecer gravemente com a covid-19 é muito maior.

Em Portugal, a vacina da AstraZeneca é recomendada apenas a maiores de 60 anos, como informou na quinta-feira a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Hoje, a responsável da saúde de Hong Kong, Sophia Chan, disse que pediu à AstraZeneca para não entregar as doses da vacina já encomendadas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2 890 054 mortos no mundo, resultantes de mais de 133 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Em Portugal, morreram 16 899 pessoas dos 825 633 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG