China ironiza com James Bond face a acusações de espionagem no Reino Unido

Num aviso dos serviços secretos britânicos MI5, Christine Lee foi acusada de "conscientemente envolver-se em atividades de interferência política em nome do Departamento Frente Unida, do Partido Comunista Chinês".

A China recusou esta sexta-feira alegações dos serviços secretos britânicos MI5 sobre uma alegada agente chinesa no parlamento britânico, ironizando com um cenário à James Bond.

"Algumas pessoas terão assistido a muitos filmes do [agente secreto] 007", afirmou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

Wang reagiu assim à divulgação, pela imprensa britânica, de um aviso do MI5, que acusou uma pessoa, identificada como Christine Lee, de "conscientemente envolver-se em atividades de interferência política em nome do Departamento Frente Unida, do Partido Comunista Chinês".

A organização apontada é responsável pelo desenvolvimento de ligações entre o regime chinês e entidades estrangeiras.

O deputado conservador britânico Iain Duncan Smith, muito crítico de Pequim, expressou preocupação por Lee não ter ainda sido detida, mas apenas impedida de entrar no parlamento britânico.

De acordo com o MI5, ela desempenhou o papel de intermediária, ao fazer "doações financeiras a partidos políticos, deputados, aspirantes a deputados e pessoas que concorriam a cargos políticos no Reino Unido", em nome de cidadãos da China e de Hong Kong.

Christine Lee é suspeita de ter doado centenas de milhares de libras esterlinas a Barry Gardiner, um ex-líder do Partido Trabalhista, bem como ao próprio partido.

A suposta agente foi também fotografada com o ex-primeiro-ministro conservador David Cameron, em 2015, e, noutra ocasião, com o ex-líder trabalhista Jeremy Corbyn.

Em 2019, Christine Lee foi condecorada pela primeira-ministra conservadora Theresa May em reconhecimento pela sua contribuição para as boas relações entre o Reino Unido e a China.

A diplomacia chinesa garantiu respeitar o princípio de não-ingerência nos assuntos de outros países.

"Nós não nos intrometemos e não precisamos disso", disse Wang Wenbin.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG