A nova etapa da mulher que não dá tréguas aos autocratas e poderosos

Agnès Callamard, ex-relatora da ONU sobre execuções extrajudiciais, está agora na chefia da Amnistia Internacional e promete intrometer-se "no caminho da repressão".

A nova secretária-geral da Amnistia Internacional, Agnès Callamard, de 58 anos, é considerada um espinho inamovível perante os autocratas e os violadores de direitos humanos, e também não se cala para criticar o governo do seu país de origem, a França. Callamard chega ao grupo de defesa de direitos humanos com sede em Londres após quase meia década como relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais, sumárias e arbitrárias que a viu ganhar uma reputação de figura frontal e corajosa contra os poderosos.

Como principal investigadora da ONU sobre o assassínio do jornalista dissidente Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul, em 2018, queixou-se de que o processo legal na Arábia Saudita tinha protegido desde altos funcionários até ao príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Também acusou a Arábia Saudita de "táticas de rufia" depois de um alto funcionário saudita na ONU em Genebra a ter alegadamente ameaçado duas vezes de que iriam "tratar" dela. O relatório de Callamard sobre a execução de Khashoggi, publicado em junho de 2019, concluiu que havia "provas credíveis" de que altos funcionários sauditas, incluindo o príncipe e governante de facto, eram responsáveis pelo assassínio. Perante as ameaças reiterou que "nunca" recuará.

"Ela não tem medo de nada e essa é a sua força", destaca um funcionário da Amnistia, que elogia a forma como Agnès Callamard enfrenta os líderes mundiais.

Descreveu a morte do comandante iraniano Qassem Soleimani num ataque dos EUA no Iraque em 2020 como ilegal, recebendo uma reprimenda do então secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo, que considerou o relatório "espúrio", e disse para se "desconfiar da retórica da ONU".

Callamard irritou tanto o presidente filipino Rodrigo Duterte por causa da sua impiedosa repressão contra a criminalidade associada ao tráfico de droga que aquele lançou repetidas críticas contra ela.

"Não tenho certamente intenção de me calar", disse à AFP numa entrevista na sede francesa da Amnistia. "Faremos ainda mais para nos intrometermos no caminho da repressão."

A Amnistia foi alvo de críticas por uma reviravolta na posição sobre Alexei Navalny, o adversário preso do presidente russo Vladimir Putin, que inicialmente descreveu como um "prisioneiro de consciência" e depois abandonou o termo devido aos seus comentários nacionalistas do passado.

Callamard não perdeu tempo a enfrentar o caso, escrevendo a Putin para o avisar de que existe uma "perspetiva real de que a Rússia o está a submeter [Navalny] a uma morte lenta" na prisão. Disse à AFP que a mensagem da Amnistia sobre Navalny era agora clara: "Libertação imediata e fim das condições de prisão que equivalem à tortura. Não há ambiguidade."

O relatório anual da Amnistia Internacional publicado na quarta-feira, o primeiro sob a sua liderança, afirmou que os países mais ricos estão a falhar um teste "elementar" de solidariedade global ao acumularem vacinas contra a covid-19. Neste documento de 500 páginas, a ONG acusa várias delas de se terem aproveitado da pandemia de covid-19 para intensificar a repressão. Cita a Hungria, os países do Golfo e as Filipinas, mas também a França, que há muito irritou ativistas com a venda de armas a regimes autocráticos.

"A França tomou medidas sobre a venda de armas que são novamente difíceis de compreender - vendemos armas a Estados reconhecidos como responsáveis por crimes de guerra e crimes contra a humanidade", comentou. "A diplomacia francesa não é o que era em muitas questões de direitos, quer estejamos a falar da Arábia Saudita ou da China."

Callamard é também profundamente crítica em relação à legislação apresentada pelo governo francês que procura impulsionar a ordem pública e combater o extremismo islâmico acusado de corroer as liberdades civis. "É todo o conjunto de valores de solidariedade, respeito, valores contra o racismo, pela igualdade que estão a ser atacados por estas medidas."

Valores de família

Os seus valores foram transmitidos através da sua família pela sua mãe, uma professora, e a memória do seu avô, membro da resistência francesa baleado pelos nazis em agosto de 1944. Quando criança, no aniversário da sua morte, prestava-lhe homenagem no local onde foi alvejado.

Depois de se formar na escola de Sciences-Po em Grenoble, teve uma carreira que a levou aos Estados Unidos, Canadá e Malawi, multiplicando as experiências na HAP International, Article 19 e Amnistia Internacional, antes de ser nomeada em agosto de 2016 relatora especial da ONU.

"Ela não tem medo de nada e essa é a sua força", destaca uma fonte da Amnistia que elogia a chegada desta mulher que "não hesita em desafiar diretamente os líderes no Twitter ou noutras plataformas".

Diante da pressão e das ameaças, muitos já teriam ido embora. Será que alguma vez pensou em abandonar seu trabalho? "Nunca", garante.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG