Pensão de preço de sangue. Defesa dos pais de Dylan da Silva pede alteração à lei

Queixa foi entregue à Provedora de Justiça. O objetivo é que os familiares dos militares em formação - como os recrutas dos cursos de Comandos - também tenham direito ao benefício.

A pensão de preço de sangue, que é atribuída em caso de morte de militares ao serviço da nação, não abrange militares que estejam em fase de formação, como foi o caso dos dois recrutas que morreram em consequência da Prova Zero do 127.º curso de Comandos, em setembro de 2016. A indemnização pedida pelos advogados de defesa dos familiares de Hugo Abreu e Dylan da Silva é, por isso, uma compensação civil, que difere da proteção que os familiares poderiam receber caso fossem beneficiários de uma pensão de preço de sangue ou de um regime de compensação especial, como acontece nos casos de invalidez permanente ou morte "no decorrer de atividade policial ou de segurança", como consta da lei.

Por essa razão, os advogados de defesa da mãe de Dylan da Silva apresentaram, em junho, uma queixa-exposição à Provedora de Justiça, ou, como se lê no documento a que o DN teve acesso, uma "sugestão de regulação legislativa, que permita estender certas condições a todos os militares", entre elas a atribuição da pensão do preço de sangue a militares que ainda estejam na fase de formação.

Ao DN, o gabinete da Provedoria de Justiça confirmou a receção da queixa, adiantando que esta "se encontra em apreciação". Caberá à provedora Maria Lúcia Amaral decidir se a queixa tem fundamento para desencadear uma recomendação ao governo no sentido de alterar a legislação.

Para Miguel Santos Pereira, advogado dos pais de Dylan da Silva, que assina a queixa enviada à Provedora de Justiça, apesar de os militares não estarem no exercício de funções, "estão numa situação equiparável", uma vez que "sem aquela formação nenhum militar estaria em condições de defender o nosso país", lê-se no documento.

Proposta é a de que a indemnização seja semelhante a um seguro de vida

A queixa sugere também que seja determinada "uma indemnização para as mortes que venham a ocorrer em cenário de treino" e que se crie um regime similar ao que já existe e que compreende uma compensação especial por invalidez permanente ou morte. Neste regime, o militar pode escolher quem são os beneficiários, ou seja, quem pode usufruir da pensão de preço de sangue, como se de um seguro se tratasse.

Dylan da Silva e Hugo Abreu, ambos com 20 anos à data dos factos, morreram, enquanto vários outros instruendos sofreram lesões graves e tiveram de ser internados, na sequência de uma prova no 127.º curso de Comandos, em Alcochete, a 4 de setembro de 2016.

Em junho do ano passado, o Ministério Público acusou 19 militares - oito oficiais do Exército, oito sargentos e três praças -, no processo relativo à morte dos dois recrutas, considerando que os arguidos atuaram com "manifesto desprezo pelas consequências gravosas que provocaram nos ofendidos".

As famílias reclamam dos arguidos o pagamento de uma indemnização no valor de 700 mil euros - 400 mil euros para a família de Dylan da Silva e 300 mil euros para a de Hugo Abreu.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...