Professores a viver em parques de campismo à espera de casas

Educação

Professores a viver em parques de campismo à espera de casas

A menos de uma semana do primeiro dia de trabalho, Susana está a preparar a tenda para levar às costas, por ainda não ter encontrado alternativa de alojamento até meados de setembro. Sindicatos dizem que o problema tem vindo a piorar no Algarve, onde o turismo parece ser cada vez menos sazonal.

É já no dia 2 de setembro que os 24 mil professores colocados para o ano letivo 2019-2020 terão de se apresentar nas escolas onde foram colocados. Vários deles chegam anualmente ao Algarve, longe de casa, à procura de alojamento numa zona onde o turismo é o principal inquilino - pelo menos até meados de setembro, fim da época alta. Sem alternativas, uns optam por ficar nos parques de campismo, outros em pensões e hostels. Um problema que "tem vindo a agudizar-se, devido ao volume do turismo na zona", que é também "cada vez menos sazonal", denuncia a presidente do Sindicato Democrático de Professores do Sul (SDP Sul), Josefa Lopes.

"Apartamento de férias remodelado", "Casa de férias no Algarve", "Alugo T1 a 2 minutos a pé da praia". Basta uma pequena pesquisa pela internet para percebermos a dificuldade que pode ser encontrar uma casa no Algarve que não seja destinada a casais ou famílias em férias. A maioria dos anúncios não deixa para segundo título essa condição. Se, por acaso, até surge um ou outro anúncio de arrendamento a mais longo prazo, não passam de um período que vai de outubro (já um mês após as aulas começarem) a maio (ainda a dois meses do final da época de trabalho dos professores).

A falta de alternativas pode mesmo levar alguns colocados nas escolas algarvias a desistir das vagas, admite a dirigente dos professores do SDP Sul. "Porque têm família e as condições que lhes são oferecidas não são minimamente razoáveis para levar um ou mais filhos consigo", conta. Mas lembra que o mais comum é "ver professores que já evitam candidatar-se a determinados lugares por más experiências relativamente ao alojamento".

"Vejo colegas que neste momento estão em grande stress porque entram ao serviço no dia 2 mas o alojamento só está disponível a 15 (na maior parte dos casos)", escreveu nesta terça-feira Arlindo Ferreira, diretor do Agrupamento de Escolas Cego do Maio, no blogue Arlindovsky, do qual é autor.

Como é o caso de Susana Ferreira, de 42 anos, para quem cada início de ano letivo é uma incógnita. "Todos os meses de agosto penso em desistir", desabafa. Para a semana, a educadora de infância, natural de Braga, terá de se apresentar pelo segundo ano consecutivo numa escola do Algarve. No ano passado, em Albufeira. Neste ano, em Loulé. Está a reviver tudo de novo. E nem as duas décadas a exercer a profissão em modo ambulante, tendo corrido já várias zonas do continente e até a Madeira, a prepararam.

Pelo contrário, Estela Fonseca, de 52 anos, do Porto, só viveu o processo de deslocação um único ano da sua carreira. A professora de Filosofia do ensino secundário conta que concorrer para as escolas do Algarve "era a única forma de se vincular", pois são instituições "onde há muita falta de professores". Sujeitou-se àquele que diz ter sido o ano mais difícil da sua vida, deixando para trás, no Porto, dois filhos (na altura, já estudantes universitários) e pais doentes. Mas desistir não era opção. "E o que é que eu iria fazer com esta idade?", pergunta. Mas, naquele ano, esteve mais perto de o decidir. "Foi um desespero enorme."

Houve anos em que Susana fez as malas e se aventurou no estrangeiro, em áreas distintas, para combater o vazio de quando não era colocada. "Fui para a Suíça e para Maiorca, trabalhar em restaurantes, trabalhar como ama, mas também em lojas", lembra. Mas "sempre que era colocada voltava e ia trabalhar".

"Aqueles que aceitam ficar nesta situação (em parques de campismo), pensam que a situação será transitória. Se calhar é, mas o nosso turismo está cada vez menos sazonal"

Alugar uma tenda ou viver "a preço de turista"

A menos de uma semana do primeiro dia de trabalho, Susana continua por Braga a candidatar-se a casas no Algarve. As respostas têm sido, na grande maioria, negativas. E, quando surge uma casa ou quarto disponível, a renda não é suportável para o seu salário. "Liguei agora mesmo para o senhorio de um T2 que pedia 600 euros. Mas isto é mais de metade do meu ordenado", conta.

Também não tenciona sujeitar-se, mesmo que temporariamente, a "preços de turista". "Não vou gastar 500 euros numa semana. Não ganhamos para pagar isto. Mesmo num bungalow (num parque de campismo) já é difícil ficar, porque são caros", conta. Logo em julho deste ano, tratou de assegurar uma casa para setembro, embora só possa mudar-se a partir da segunda quinzena do mês. Pondera, por isso, levar uma tenda para um parque de campismo até ao dia 15.

Conhece casos de colegas que tiveram de recorrer ao acampamento até que a época alta terminasse, em meados de setembro. Mas o tempo de vida do turismo na zona já não é tão previsível como antigamente. "Aqueles que aceitam ficar nesta situação (em parques de campismo) pensam que a situação será transitória. Se calhar é, mas o nosso turismo está cada vez menos sazonal", conta a sindicalista Josefa Lopes. E o que seria uma alternativa temporária torna-se mesmo uma situação permanente.

Já há muitos anos que a situação é do conhecimento dos sindicatos. O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) lembra um colega de trabalho que "geria um parque de campismo em Lagos e arranjava forma de os professores lá ficarem". "Infelizmente, é um problema que já vem de longe. E não apenas no Algarve, embora deva estar a sentir-se mais por lá, devido ao aumento do turismo e de casas destinadas a turismo", reitera.

No ano passado, Susana deambulou entre casas de amigos e apartamentos que estavam disponíveis para alugar por curtos períodos de tempo. "Estive com uns amigos nas primeiras semanas de setembro. Do final do mês de setembro até fevereiro, consegui um apartamento. Depois, fui para outro até junho. Paguei 450 euros, despesas acrescidas, em ambos. De junho até final de julho fiquei novamente na casa de amigos", recorda. Mas, neste ano, voltar a requisitar a ajuda de amigos já não é a solução imediata em cima da mesa, visto a sua casa estar a mais de uma hora de distância da escola onde foi colocada.

"Perdi todas as economias que angariei durante a vida", lamenta a professora Estela Fonseca

Perder "todas as economias de vida" para trabalhar

Por esta altura, há dois anos, a professora de Filosofia Estela Fonseca acabava de saber que tinha sido colocada, pela primeira vez, longe de casa: em Faro. Contrariamente ao que aconteceu neste ano, em que o Ministério da Educação publicou a lista de colocações um mês antes de as aulas começarem, naquele ano milhares de professores só souberem o seu destino a uma semana do primeiro dia de trabalho.

"Tive uma semana, desde que soube que tinha sido colocada e o início do trabalho, para arranjar casa. Não conhecia ninguém e fiz todos os contactos pela internet", recorda. Mas a saga mal tinha começado.

Conta que "muitas das casas que contactava só estariam disponíveis no final do mês". Noutros casos, "teria de sair no final de maio". O pior foi mesmo as "propostas surreais" que encontrou. Um quarto no Toledo, Faro, a 300 euros, com dois beliches lado a lado para quatro pessoas. Também um estúdio no centro de Faro, junto à escola onde ia exercer, que era afinal "um quarto minúsculo num 13.º andar, com uma bancada numa ponta, imunda, cheia de gordura, com uma cama onde os lençóis brancos estavam cinzentos e o quarto de banho disponível estava muito sujo". A 350 euros.

Acabaria por alugar um T1, em Olhão, que partilhava com uma colega de trabalho. Uma dormia na sala, a outra no quarto. Mas "tinha de vir cá de 15 em 15 dias, por ter os meus pais muito doentes" e ainda dois filhos, na altura já estudantes universitários. "Perdi todas as economias que angariei durante a vida", lamenta. Com a agravante de "não ser possível declarar esta despesa". "Porque não temos recibo e, se exigimos, o senhorio vai aumentar o preço", diz.

A professora está de regresso ao Porto para cuidar da mãe, que vive dependente da filha depois de o pai ter morrido. Está atualmente colocada no Porto.

Falta de apoio do ministério

Não se sabe ao certo quantos serão os professores deslocados que chegam anualmente ao Algarve. O líder da Fenprof diz que "talvez não seja dos distritos onde há mais deslocados", ao contrário do que diz acontecer em Lisboa, Beja e Évora, por exemplo. Certo é que para nenhum destes professores, estejam mais ou menos distantes de casa, há qualquer subsídio de deslocação ou alojamento.

A capital é mesmo das cidades "onde os problemas são mais sentidos e que levaram, inclusivamente, a que não houvesse professores para contratar em alguns sítios, porque o preço da habitação é muito elevado" e "praticamente o valor do seu salário", diz Mário Nogueira. Lisboa continua uma das cidades da Europa onde a disparidade entre o rendimento disponível e os valores das rendas está a aumentar de ano para ano. A conclusão é de um estudo divulgado neste ano pelo Deutsche Bank. Segundo o relatório, um T2 que custava 645 euros em 2014 atualmente chega aos 917. Preço quase igual ou superior ao salário líquido de um professor em início de carreira, sublinha o dirigente da Fenprof.

Ainda que optem por viver fora da cidade, "o esforço é tremendo, porque, para iniciarem o dia às oito da manhã, têm de sair de casa quase de véspera", lamenta. Mas muitos vão cedendo ao sacrifício "porque querem ter tempo de serviço para, no concurso seguinte, se aproximarem de casa".

O sindicalista Mário Nogueira diz que a solução passa por criar residências para o corpo docente deslocado, principalmente "naqueles municípios onde estão mais em falta". Recorda o caso de Paris, onde uma vez foi visitar um amigo professor à residência que partilhava com outros professores, na mesma rua da escola onde estava a trabalhar. "O governo deveria passar esta competência e autonomia aos municípios", reitera.

Já João Dias da Silva, secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE), acredita que o problema tem de ser solucionado com uma análise de fundo a todas as escolas portuguesas. "O problema que temos aqui, e que fica sistematicamente por resolver, é termos um sistema de colocações de professores que cria esta necessidade de deslocações permanentes de professores. A resolução exige da parte do Ministério da Educação uma capacidade de previsão da necessidade das várias escolas, dotando-as do número de professores de que precisa para o seu funcionamento regular", aponta.

Porque "a verdade é que chegamos a julho e, quando as escolas fazem a planificação do ano letivo seguinte, chegam sempre à conclusão de que os quadros das escolas são insuficientes para setembro. "A instabilidade continua a marcar o início de cada ano letivo", lembra João Dias da Silva.

"Os deputados têm ajudas de custo, os médicos que estão a ser chamados para o setor público no Algarve também. Então, nós não temos porquê?" A professora Estela lança a questão. "Não há profissão nenhuma que não passe pelas escolas. Esta profissão é a matriz de todas as outras. Se houvesse apoio seria um incentivo para as gerações mais novas, que são necessárias", lembra, acrescentando que era a mais nova na escola onde lecionava em Faro.

Há um sopro de uma possível mudança neste cenário no programa eleitoral para as legislativas de 2019 do Partido Socialista. No mesmo, o PS compromete-se a "criar incentivos à aposta na carreira docente e ao desenvolvimento de funções docentes em áreas do país onde a oferta de profissionais é escassa". Embora a deixa levante mais dúvidas do que respostas.