Queixas sobre tempo de espera aumentam. INEM tenta melhorar com recurso ao SIRESP

Novo sistema de localização de ocorrências usa ainda a InfoPortugal e o Google Maps

Não é caso único, mas ter acontecido no Campo Grande, em pleno centro de Lisboa e a pouco mais de um quilómetro do Hospital de Santa Maria, revoltou quem testemunhou o caso e partilhou o episódio nas redes sociais. O post originou mais de três mil comentários e 14 mil partilhas na rede social e conta como, no passado dia 21 de agosto, uma criança de 6 anos sofreu um forte embate quando circulava na ciclovia, tendo perdido os sentidos. O INEM terá demorado cerca de 25 minutos a enviar a ambulância de emergência.

Segundo o relato da testemunha, as várias tentativas de contacto para o INEM resultaram em minutos de espera até que atendessem a chamada. Após o contacto, perderam-se outros preciosos minutos até que alguém conseguisse dar a morada exata do local. O operacional do INEM, para quem foi transferida a ligação, estava no Porto e não conhecia a zona. Por isso, a insistência em saber a morada exata: de nada adiantavam os gritos aflitos da mãe da criança ou a explicação de que o acidente tinha acontecido na Alameda da Universidade.

Segundo testemunhos, a ambulância acabou por chegar "vinte a vinte e cinco minutos depois do pedido de socorro". A criança haveria de ficar bem, mas as críticas sobre o atendimento do 112 e do INEM dispararam nas redes sociais. Nada de novo. No Portal da Queixa do Instituto Nacional de Emergência Médica existem mais de 120 reclamações, muitas destas sobre o tempo de espera. Em alguns dos casos relatados, quando a ambulância chegou já nada havia a fazer a não ser declarar o óbito. Afinal, o que é que se passa com o INEM? E quando marcamos o 112, quem é que atende a chamada do outro lado? Perguntas que o DN fez ao organismo.

Segundo o INEM, as chamadas efetuadas para o 112 (Número Europeu de Emergência) "são atendidas por elementos da PSP e pela GNR, nas Centrais de Emergência 112". E só quando a situação constitui uma emergência de saúde (doença súbita, acidente com feridos, etc.) é que a chamada é transferida para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do organismo. Cabe a estas centrais médicas realizar a triagem clínica da situação e "são encaminhados para o local os meios de emergência médica mais adequados para responder à situação".

O 112 funciona desta forma desde a sua criação, ainda mesmo quando era utilizado o número 115. O INEM nunca recebeu diretamente chamadas de emergência, estas são sempre transferidas através do Número Europeu de Emergência: o 112.

Sobre a situação da criança que sofreu o acidente na ciclovia do Campo Grande, o INEM acabaria por publicar, na sua página de Facebook, um longo esclarecimento, onde dava conta de que "procedeu à pesquisa da informação sobre a atuação do INEM nesta ocorrência em concreto, acedendo a todos os registos informáticos disponíveis e à audição da gravação das chamadas telefónicas".

Na nota, salienta que "o contactante se encontrava muito ansioso (o que é perfeitamente compreensível)" e que "no sentido de melhor localizar a ocorrência, o profissional do CODU questionou sobre a possibilidade de ser fornecida uma morada mais precisa". Só quando foi referido que o local seria na "Alameda da Universidade", sustenta o INEM, é que o CODU conseguiu localizar a situação de emergência.

Organismo admite que o tempo de resposta "não foi o ideal" para emergências em Lisboa.

Segundo o organismo, "desde que a chamada entrou no CODU até ao envio da ambulância, decorreram sete minutos" e a "ambulância do INEM demorou 13 minutos a chegar ao local", um tempo "que apesar de não ser o ideal para emergências médicas ocorridas na cidade de Lisboa", não considera "vergonhoso ou excessivo", sublinha, reportando-se à denúncia pública do caso nas redes sociais.

Apesar das críticas, o INEM explica que "a correta identificação da morada é parte integrante da triagem e absolutamente fundamental para que as equipas de emergência possam chegar o mais rapidamente possível junto das vítimas".

No entanto, a demora excessiva em acorrer a situações de emergência existe, tanto que o mês passado o INEM decidiu atualizar o sistema informático dos CODU do INEM, que tem agora uma nova cartografia digital. O novo sistema vai permitir melhorar a localização das ocorrências e uniformizar a informação partilhada com o 112.

O Sistema Integrado de Atendimento e Despacho de Emergência Médica - SIADEM, assim se chama a aplicação informática que serve de suporte ao trabalho dos CODU - assegura o registo do atendimento das chamadas recebidas através do Número Europeu de Emergência (112), a triagem e o despacho dos meios de emergência médica.

Há melhorias a nível da localização geográfica e a funcionalidade foi reforçada com novas fontes de informação: InfoPortugal (empresa especialista em Sistemas de Informação Geográfica), Google Maps e as coordenadas remetidas pelo rádio SIRESP.

O organismo garante que a partir de agora os operadores dos CODU do INEM irão "ter sempre informação atualizada sobre a localização exata do meio, através da integração das coordenadas remetidas pelo rádio SIRESP.

Ainda assim, quem liga para o 112 a comunicar uma situação de emergência deverá "responder às questões que são colocadas" e colaborar na localização do local. Apesar do novo sistema, o INEM continua a reforçar que deverá ser fornecida uma "localização exata e, sempre que possível, com indicação de pontos de referência". Mas o que os utentes pedem é que sejam precisamente utilizados os tais "pontos de referência" quando não existe conhecimento da morada exata.

Recorde-se que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) foi criticado por estar "baseado em tecnologia ultrapassada" e "obsoleta" e descrito como o culpado pela falha nas comunicações e das redes móveis no incêndio de Pedrógão Grande, segundo o relatório da comissão independente que foi divulgado em outubro de 2017.

Devido ao que aconteceu no incêndio de Pedrógão, o governo decidiu assumir uma posição na estrutura acionista da SIRESP e agora detém 33% do capital social da empresa de redes de emergência.

O INEM refere que os tempos globais da prestação de socorro - disponíveis no site do INEM - encontram-se "perfeitamente dentro dos padrões recomendados", de acordo com as "Normas de Boas Práticas em Trauma", do Grupo de Trabalho de Trauma e Competência em Emergência Médica da Ordem dos Médicos, que definiu os tempos de socorro para a emergência médica pré-hospitalar.

Em 2018, e para 90% dos pedidos de socorro, o tempo de resposta em zonas rurais é inferior a 30 minutos, contado desde o acionamento do meio até à chegada ao local. Para o mesmo indicador em áreas urbanas, o tempo de resposta inferior a 15 minutos situa-se nos 73%, segundo dados do INEM. Valores que estão em linha com os resultados obtidos noutros sistemas de emergência médica de países como Espanha e Reino Unido, aponta ainda o organismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".