Estado fica com 33% da SIRESP. Altice passa a controlar

Quase um ano depois de anunciado, o Estado compra 33% do capital social da empresa que gere as redes de emergência. Altice Portugal reforça para 52,1%

O Ministério das Finanças anunciou esta quarta-feira que o Estado assumiu uma posição na SIRESP. A reorganização acionista da Gestão de Redes Digitais de Emergência não se ficou, contudo, pela entrada do Estado.

A Altice Portugal, que herdou o ativo da PT Participações, exerceu o direito de preferência relativamente às participações detidas pela Esegur e Datacomp, tornando-se na maior acionista da empresa com 52,1% do capital social. Ficou assim gorada a tentativa do Governo de passar para o Estado a maioria do capital da sociedade. Recorde-se que o ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita, tinha anunciado, no final de outubro do ano passado, a intenção de assumir o controlo da empresa, ficando com mais de 54% do capital. Mesmo assim, fica com o direito de nomear o presidente e dois dos três membros da comissão executiva.

"Na sequência dos incêndios registados em 2017, o Governo decidiu, no Conselho de Ministros de 21 de outubro de 2017, assumir uma posição na estrutura acionista da SIRESP, SA. Nesse contexto, o Estado irá assumir a posição acionista da Galilei, passando a deter 33% do capital social da SIRESP, SA.

Na sequência da assunção desta posição acionista, o Estado passará a indicar dois membros do conselho de administração da SIRESP SA, um dos quais o Presidente, e dois dos três membros da comissão executiva", lê-se no comunicado das Finanças. As mudanças acontecem depois dos graves incêndios do ano passado que mataram mais de 100 pessoas e de falhas detetadas no sistema de comunicações de emergência.

Paulo Ribeiro Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.