SIRESP está "baseado em tecnologia ultrapassada" e "obsoleta"

O SIRESP está "baseado em tecnologia ultrapassada" e "obsoleta", tendo sido "notório a falha" deste sistema de comunicações e das redes móveis no incêndio de Pedrógão Grande, segundo o relatório da comissão independente hoje divulgado.

"A rede SIRESP [Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal] foi objeto de críticas relativas à sua eficácia. A destruição pelo fogo de algumas das suas ligações e a inexistência de soluções de redundância com a mesma qualidade colocaram dúvidas relativas à solidez da rede", refere o relatório da comissão técnica independente para analisar os fogos de junho na região Centro e hoje entregue na Assembleia da República.

O documento explica que, nos "mega-incêndios" de Pedrógão Grande e de Góis, "as falhas de comunicações do SIRESP foram sendo colmatadas transitoriamente com o recurso às redes móveis públicas e ROB" (Rede Operacional dos Bombeiros), que permitiram "superar pontualmente as ineficiências da rede SIRESP".

No entanto, as falhas na rede SIRESP, associadas às falhas das comunicações móveis, são notórias nomeadamente no fogo de Pedrogão Grande, tendo estas "inúmeras passagens" ficado registadas na fita do tempo relativa a esta ocorrência.

Na região de Pedrógão Grande, cinco antenas deixaram de estar conectadas com a rede, permitindo apenas comunicações locais, tendo esta inibição contribuído "para congestionar as outras antenas", refere o relatório.

Embora esta situação seja desvalorizada pela empresa SIRESP, a comissão independente reconhece que "esta solução não pode ser admitida numa rede que necessita de garantir comunicações entre os diversos pontos de decisão, muitos deles distantes centenas de quilómetros, destinada a mobilizar recursos, a definir atuações de meios aéreos ou de estabelecer estratégias de evacuação de pessoas".

O relatório salienta que "a rede SIRESP está baseada em tecnologia ultrapassada", que representou, quando foi introduzida, "um enorme avanço em relação à fragmentação passada, mas não acompanhou a evolução vertiginosa que as tecnologias de comunicação sofreram nos últimos anos".

A comissão nomeada para analisar os fogos de junho na região Centro destaca também que a rede SIRESP está baseada em tecnologia "que pode ser considerada obsoleta, não tendo evoluindo para as novas tecnologias".

O documento refere igualmente que a utilização de antenas móveis, no âmbito da solução tecnológica adotada pelo SIRESP, poderá contribuir para superar eventuais destruições de ligações e de repor as condições operacionais da rede, mas não se consegue prever a dimensão das destruições de forma a colmatá-las todas com antenas móveis.

Nesse sentido, o relatório sugere que os sistemas de comunicação de emergência em Portugal poderiam e deveriam "evoluir para sistemas de tecnologia avançada que incorpore capacidades 3G e 4G".

Os peritos consideram ainda que Portugal "não deve continuar a basear as suas comunicações em sistemas que, como se viu, são vulneráveis às catástrofes que pretende socorrer" e que o sistema de registo e controlo de informações da Autoridade Nacional de Proteção Civil evolua para "um sistema desmaterializado, registando de forma automática as comunicações e as informações e evitando perturbações que a operação manual pode introduzir".

O fogo que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho só foi extinto uma semana depois, tal como o incêndio que teve início em Góis (distrito de Coimbra). Os dois fogos, que consumiram perto de 50 mil hectares em conjunto, mobilizaram mais de mil operacionais no combate às chamas.

O incêndio que deflagrou Pedrógão Grande, tendo alastrado a vários municípios vizinhos, causou 64 mortos e mais de 200 feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.