Premium Lisboa tem hoje mais seis semanas de verão do que há 40 anos

Em quatro décadas, o clima de Portugal mudou. As temperaturas máximas aumentaram 1,6 graus e o verão esticou mais de um mês no norte e no centro do país. Também chove muito menos e por isso as secas são mais severas.

O número de dias muitos quentes, de grande desconforto térmico, com valores superiores a 35 graus Célsius, aumentou entre cinco e dez dias por década nos últimos 40 anos em Portugal. Mas este não é um sintoma isolado. Os chamados dias de verão, em que a temperatura máxima é superior a 25 graus Celsius, seguem exatamente a mesma tendência, que se mostra mais acentuada no norte e no centro do país. Lisboa, por exemplo, ganhou mais 11 dias de verão por década desde 1976, o que, feitas as contas, soma mais seis semanas de verão em relação há 40 anos. As alterações climáticas são reais e já estão a acontecer.

"Isto não é um sinal ténue, é uma mudança de clima persistente e real", afirma ao DN Álvaro Silva, climatologista do IPMA, sublinhando que os dados observados "estão em linha com o que os modelos climáticos já estimavam há 10 ou 15 anos". Ou seja, o aumento da temperatura e a diminuição da chuva, com todos os impactos negativos que isso implica na agricultura, nas florestas, com o aumento do risco de incêndios, ou na saúde, com ondas de calor mais intensas, sobretudo perigosas para idosos e crianças.

Ler mais

Exclusivos